Cuidado com o Rafeiro! Não é que morda, mas podes pisá-lo sem querer...

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Não sejas batoteiro, pá!

Sou um grande apaixonado por jogos de computador. Gosto de chegar a casa e, nos dias em que a jove se esconde bem, descarregar o stress no teclado e rato, fazendo voar cabeças de zombies, esventrando políticos, pontapeando coelhos felpudos e outras brincadeiras inocentes.

E, como eu, existem mais uns milhares, claro. Mas dentro deste universo, há aqueles que gostam de ir pelo caminho mais fácil, ou seja, os batoteiros. Refiro-me àquela malta que, à primeira dificuldade ou mesmo antes, lançam-se na internet à caça das famosas cheats, para que através da simples introdução de um código o jogo abra as suas pernas de par em par, qual rameira perante um cliente abastado.

O que pode, à primeira vista, parecer uma coisa insignificante, assume contornos preocupantes. Malta assim não sente o prazer de ultrapassar as adversidades, de conquistar algo apenas através das suas capacidades. E claro que este tipo de atitude depois se reflecte na vida real, pois a não ser que faça parte do Governo, dificilmente conseguirá ter uma atitude de conquista perante os problemas, preferindo expedientes como o suborno, o roubo ou a chico-espertice, que são o equivalente às cheats mas no mundo a sério.

Batoteiros, digam-me lá sinceramente: qual é a piada de num jogo ter uma situação complicada e, mediante uma “magia” ultrapassá-la instantaneamente? É quase como estar a tentar engatar uma gaija, digitava-se um código e, PUF, estava-se logo na fase pós-quecanço, a fumar um cigarro e a reparar nas rachas que a parede tem.

Se eu fosse um tipo dado à filosofia, diria que o verdadeiro interesse não está no destino mas no caminho que percorremos, mas seriam palavras demasiado eruditas para este espaço. E para não dizerem que sou um tipo demasiado radical, até aceito que se coloquem umas cheats mais básicas, como prolongar a vida ou aumentar a força do herói, mas apenas porque isso também daria jeito na metáfora do engate. Tudo o resto, meus caros batoteiros, são atalhos, que vos desviam da estrada do verdadeiro prazer. Porra, lá estou eu outra vez a filosofar... 
 
Até sempre,
Rafeiro Perfumado

60 comentários:

the big fox disse...

é pá eu ia dizer uma serie de tretas mas com a "estrada do verdadeiro prazer" deixaste-me sem qualquer possibilidade.
já agora onde começa e acaba essa estrada ? e tem portagens?
abraço e boa semana de ferias (para mim...)

the big fox disse...

olha olha pela primeira vez
FUI O PRIMEIRO

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

"É quase como estar a tentar engatar uma gaija, digitava-se um código e, PUF, estava-se logo na fase pós-quecanço, a fumar um cigarro e a reparar nas rachas que a parede tem."

hahaha hahahahahahahaha ahahahhahahahahahah hahahahahhaha
(Oh pra mima rebolar no chão de tanto rir!!!)

A. disse...

Tu tens umas alegorias/metáforas giras... será porque hoje começam os exames nacionais?

ADLuxor disse...

Essas comparações e metáforas estão muito originais, sem dúvida! Ahahahah!!!
O que vale é que o Dragon Sword não tem cheats, portanto vai ser daqueles jogos em que se segue a "estrada do verdadeiro prazer". LOOL
Abraço!

Cat disse...

Eu não gosto de jogar (excepção feita ao Trivial e ao Monopólio), mas o que me prendeu a atenção foi esta tua frase:
"nos dias em que a jove se esconde bem".
Genial, querido Rafeiro, genial! ;D

Felina disse...

Eu até ia dizer que uma batotice dessas até dava jeito para eliminar a nossa divida ao FMI, mas desisto não ia servir de nada porque os nossos ladrões internos iam continuar a roubar ainda com mais gosto

Utena disse...

Meu caro Rafeiro...
Sim senhor temos um filosofo... e a brincar lá se dizem verdades tão verdadeiras
Beijinhos

Vício disse...

como já te disse uma vez, joguei bastante Duke Nukem e posso dizer-te que às vezes dá jeito meter o gajo imortal, no nivel mais difil, para aliviar o stress!
os aliens eram mais que as mães e ressuscitavam e então havia sem quem abater...

Vício disse...

ERRATA: a seguir ai "havia" deve ler-se "sempre"

Paula Raposo disse...

E tens toda a razão!!!

Petra disse...

Tens razão Rafeiro... o prazer está no desafio.... os batoteiros são uns preguiçosos lolll-.

Constantino, Guardador de Vacas disse...

Sou uma absoluto zero em jogos de computadores pelo que a maioria do que escreveste não percebi patavina. Tirando aquela de esventrar políticos, engatar gaijas e caros batoteiros (já não há batoteiros baratos, não há não) fiquei em branco.

Eva Gonçalves disse...

Nunca percebi esse prazer da batota... ganhar um jogo de cartas, chegar até ao fim de um jogo do pc, copianço em exames... e sentem-se vitoriosas essas pessoas? De quê afinal? Sentem-se ganhadores? Qual pode ser o prazer de se saber que não foi por esforço, mérito, inteligência ou criatividade que se solucionou sozinho um problema??? E quantos não facam com aquela cara de parvos vitoriosos e até se gabam e penso que até acreditam que foram eles que conseguiram algo... I don't get it! Se o prazer estivesse em chegar ao fim e fumar um cigarro, bastava andarmos todas com maços de cigarro para distribuir!! I don't think so!!!!! :))

Rui Pascoal disse...

Ainda estou a pensar "na fase pós-quecanço"...
mas eu não fumo...
Porra!

LOURO disse...

Olá Rafeiro!

E a brincar,se vão dizendo as verdades e alertando para as mentiras desto mundo em que vivemos...

Abraço,
Lourenço

Janita disse...

É por estas e por outras que tu és o meu Rafeiro preferido.

"... o verdadeiro interesse não está no destino mas no caminho que percorremos..."

Só por isto eu já te atribuía o Prémio Nobel da Literatura & Inteligência. Não existe?
Faz-se batota e cria-se.

Olha que não, Rafeirinho... não suporto batota e muito menos batoteiros!

Já estás estiraçado no sofá ou é só prá semana? Desculpa lá esta insistência, mas é que na volta ainda vou contigo...
Beijinhos

Anjo De Cor disse...

apesar de não ser grande amante de jogos de computador, acho que tens razão ;) o gosto esta em ir descobrindo e perder horas e horas de volta da trenguice do jogo .... heheheheh.
bjs*

jorge vicente disse...

e lá estás a filosofar :D

Anna^ disse...

E existe coisa melhor do que depois de ultrapassar o obstáculo( no matter what), saborear a vitória? ( que é como quem diz,fumar o tal cigarrito?)

(E quanto ao País já lá não vamos de batota, mas sim de milagres!)

beijoca e uma boa semana :)

Carolina Tavares disse...

Gostei da metáfora e da parte que diz estar a olhar as rachaduras na parede... se este é o the end com certeza não se teve bom êxito, deve ser daquelas rapidinhas, do tipo assinar o ponto.

Agora vais rir... já joguei ¨Imagem e Ação¨ online, bom... ao menos hás de considerar que desenhar com o rato é difícil.

Kok disse...

Escreveres sobre batoteiros surgiu-te livremente ou foi algum facto recente que te influenciou o pensamento e a vontade de escrever sobre o assunto?

Os batoteiros são uma espécie incompreendida porque, basicamente, o que eles querem é adquirir conhecimentos e o mais rápido possível. :)))
Daí que para eles o prazer é suficiente; nem precisa de ser o verdadeiro...

1 abraço pah!

§-rachas da parede? isso é que é imaginaçon!!! (ou são desenhos)

Teté disse...

Ahahah, essa de passar directo para o cigarrito a contar as rachas na parede está genial! :)))

Mas hoje estás realmente muito filosófico! :D

Beijocas!

Barroca disse...

É uma bela filosofia... que às vezes não sigo, videojogos style claro!

Gosto de first person shooters e para esses não preciso de códigos nem cheats, caem que nem tordos perante a fúria da minha arma-de-fogo-que-liberta-o-inferno-sobre-quem-se-atravessa-à-minha-frente!

Mas também gosto muito de aventuras gráficas/point & click (runaway, gabriel knight, etc) e há puzzles tão difíceis que tenho de ir à net quando já estou a arroxear de frustração, para um geek qualquer me explicar que preciso de combinar a lata de sardinhas com os atacadores e a geleia de morango para conseguir "O" item que vai permitir que avance.

Como vês, um cheat de vez em quando poupa tempo e cabeça e um desvio não mata ninguém!

Junkie Jones disse...

Mais uma vez estiveste mal com aquela do cheat que transportava um gajo para o periodo pós-coital, mas tu achas que as gajas são burras e não percebem que tu estavas era a pensar num cheat que voasse sobre a parte do engate e aterrasse ali logo a seguir à fase pós perliminares?
Te fôda...

Nuvem disse...

Enaaaaaaaaaaaaa, hoje tenho tempo para comentar, em vez de ser só passar e ler (hábito diário) :)
Essas pessoas são aquelas que na vida de todos os dias também procuram todos os atalhos para serem bem sucedidas, passando por cima de tudo e de todos.
São aquelas pessoas que quando tem de lutar por algo desistem...
Poderia dizer que são uns fracos, mas infelizmente cada vez me deparo mais com eles em lugares de poder...
Enfim... não sabem que as dificuldades fazem crescer e que lutar por procurar a solução ou superar algo é a melhor forma de viver e de crescer :)

beijinhossssssss

Sérgio Pontes disse...

Loool, eu cá também sou anti-cheats, por isso é que tenho uns quantos jogos em que pura e simplesmente não consigo avançar =)

Sandra disse...

Eu adoro jogos de computador e playstation e wii e afins...e não há nada melhor do que o doce sabor da vitória, quando pela centésima vez se tenta algo e finalmente se consegue...mas confesso que à centésima vez já me sabe bem seja com ou sem batotice...
:)
sandrablogwithaview

LopesCa disse...

Detesto batota :s

Beth/Lilás disse...

Aha, já descobri a idade deste cachorrinho tão faceiro!!!
Deve estar na faixa dos 20 e poucos ou 30 no máximo.
Então gostas de um joguinho na rede, não!?
Eu não curto, fico com sono, sabias.
abs carioca

aespumadosdias disse...

Eu ando viciado num jogo de xadrez que coloquei no telemóvel. Precisava dessas tais "cheats" pois ainda não conseguiu ganhar 1 jogo frente ao computador.

Orquídea Selvagem disse...

Normalmente, quando comento um post (e aqui na tua casa não é excepção) gosto de dar antes uma vista de olhos pelos comentários, para ver se não repito o que alguma alminha tenha já dito.

Mas hoje não me apetece. Estou consolada de te ler... e não quero estragar esta disposição.
As tuas analogias são de facto brilhantes e, seja para fazer humor ou para falar um bocadinho mais a sério, a tua lucidez nunca te abandona.

Até podes dizer que não... mas tens imenso jeito para filosofar! :)

Rafeiro Perfumado disse...

The Big Fox, tu, primeiro? Aposto que fizeste batota... Abraço e boas férias, seu grande cão!

Especialmente Gaspas, além de rebolar sabes outros truques? Dá a patinha, dá! ;)

A., por acaso não tem ligação com isso, nem com exames de admissão para juízes!

ADLuxor, um dia ainda vou conseguir jogar isso, nem que sejas tu a instalá-lo! Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Cat, ainda por cima a sacana varia de esconderijo!

Felina, os nossos ladrões internos são os maiores hackers de que há memória...

Utena, e alguma vez me viste a dizer verdades mentirosas? Beijocas!

Vício, e como te disse uma vez, cheguei a jogar com uns amigos esse jogo, em modo corporativo. Demorámos meia hora só para sair do telhado, de tanto darmos tiros uns nos outros.

Rafeiro Perfumado disse...

Paula Raposo, só acrescento “como sempre”! ;)

Petra, e feios, são feios.

Constantino, guardador de cows, nem sequer um tetris? Um Manic Miner? Um Pac-man? Jazus...

Eva Gonçalves, se estamos a jogar é para nos superarmos, penso eu de que, não para ir por atalhos. Mas há malta que gosta de atalhos...

Rafeiro Perfumado disse...

Rui Pascoal, não sejas tarado, se não fumas também não podes pensar nisso!

Louro, pena não poder fazer espancamentos em vez de textos, era muito mais feliz. Abraço!

Janita, é só para a semana, e de sofá vai ter pouco, que eu nas férias gosto é de bulir! Beijocas!

Anjo de Cor, horas ou mesmo dias, que há jogos mesmo lixados. Mas a satisfação de conseguir quebrar o enigma não há cheat que a imite. Beijocas!

Rafeiro Perfumado disse...

Jorge Vicente, é o que dá falhar a medicação! ;)

Anna^, já passámos a fase dos milagres, agora é mais fazer tábua rasa e começar de novo. Beijoca!

Carolina Tavares, mas olha que há rapidinhas deliciosas! E eu disse fumar cigarro, não um charuto! ;)

Kok, por acaso não teve nada a ver com as notícias mais recentes, foi uma coincidência feliz. Ou então sou profeta, pois já escrevi isto há mais de dois anos! Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Teté, é que ontem vi o telejornal, e quem é que não sente a veia filosófica a pulsar depois de tal experiência? Beijocas!

Barroca, não vou dizer que nunca recorri a ajuda externa para resolver certos enigmas, pois há coisas que não lembram nem aos nossos legisladores. Agora fazer o jogo com o walktrough ao lado, isso é de nabo.

Junkie Jones, já estou mesmo a ver um dia eu colocar “o oxigénio é bom” e tu comentares “mas lá está este palhaço a dizer bestialidades, aquilo lá faz bem a alguém?”. Acho que é por isso que simpatizo contigo...

Nuvem, realmente, até te sentaste e tudo. Normalmente os teus comentários estavam desfocados, tal a velocidade com que aqui passavas. Beijocas!

Rafeiro Perfumado disse...

Sérgio Pontes, também eu. Isso e porque ainda não encontrei os códigos certos na net... ;)

Sandra, pois a mim nada dá mais prazer (ok, algumas coisas dão) do que terminar o jogo apenas graças ao meu talento, pular para cima da mesa, rasgar a camisa, bater no peito enquanto grito “QUEM É O MAIOR, QUEM É O MAIOR?!?”. Claro que depois tenho de ir limpar a mesa, ou apanho...

LopesCa, és uma fixolas, pá.

Rafeiro Perfumado disse...

Beth/Lilás, já me deram na casa dos 20 e já me deram na casa dos 50. No teu caso, posso dizer-te que estás muito errada... Beijoca!

Aespumadosdias, e o que te vai dar mais prazer, ganhar um jogo por ti ou mandar o telemóvel contra a parede, enquanto insultas os seus programadores?

Orquídea Selvagem, com tanto elogio confesso que estava à espera que me fosses pedir alguma coisa... :D Beijoca!

Orquídea Selvagem disse...

:P

Me,myself & I! disse...

Eu admito que quando jogava Football Manager se perdia injustamente deitava o jogo abaixo desligando o computador e voltava a repetir...
E o jogo continuava a ter piada!
Eh,eh!

Cacarol disse...

Cá para mim a jove esconde-se todos os dias...Também não gosto de batoteiros e de cheats!Olha e ainda bem que não és dado à filosofia,mas a filosofia podia dar-te jeito na coisa do engate;sabes que há gajas (uma espécie de rameiras)que,quando não percebem o que os gajos dizem,os acham inteligentes!

Ardnaxela disse...

Agora até me fizeste lembrar dos tempos em que eu era miúda e passava as tardes a jogar naquelas consolas com cassetes o Super Mário ou a matar patos xD a alegria que era quando conseguia passar aquele nível mais difícil do Super Mário e a tristeza que vinha logo a seguir quando aparecia que a princesa não estava naquele castelo -.-
Isto tudo para dizer que é no não fazer batota que está o ganho, porque são aqueles obstáculos que conseguimos ultrapassar por nós mesmos que um dia nos vão fazer pensar 'Bem, se consegui ultrapassar aquilo também consigo ultrapassar isto' e esta é uma tese que serve para tudo, tanto para o nosso dia-a-dia como para um simples jogo de computador.

Beijinho

Paloma disse...

Essa comparação do procedimento diante do jogo, com o comportamento na vida, é válido.Tem pessoas que só procuram facilidades em tudo e muitas vezes saem atropelando o que encontram pela frente.

José Sousa disse...

Hahahaha... À Rafeiro do caraças! Só mesmo tu para me fazer rir "Puf" também só rio por seres um cão com tanta sabedoria! Mas foi bom este teu raciosinio pois me fez lembrar o tempo em que eu era criança e os putos jogavam ao espeto com um pau iam espetando e fazendo um risco a ver que consegui fazer uma volta até chegar primeiro ao destina sem que perdesse tempo ou o espeto falhace.


Boa continuação, e olha amanhã vou cozer uns oços de porco para o petisco, que tal! Com um vinho "Monte Velho", vai?

Um abraço.

ψ Psimento ψ disse...

Rafeiro, este "post" diz-me muito. Pessoalmente também sou fã de jogos, mas prefiro joga-los comigo mesmo. O que me agrada mais normalmente são RPGs com uma historia que quando mais cativante for mais me prende. Os jogos online rapidamente me fazem perder o interesse.
Já o meu irmão é o oposto, apesar de agora andar mais calminho, é habitual encontra-lo na sala com head-phones a gritar "F******da-seeeee batoteiros!!! "Ou filhos da put* dos cheaters!!!" enquanto dá murros na mesa ehehhe. Os meus pais não acham é lá muita graça e se calhar os vizinhos também não.
Abraços

Henrique Marques disse...

Cheguei a ficar entusiasmado por essa tua ideia revolucionária, marcava- se um código e zás: gaja no papo. Mas depois lembrei-me do reverso da medalha:
— Vocês são todos iguais! Querem é andar a digitar códigos a tudo o que é gaja que vos passe pela frente!

refemdabd disse...

FINALMENTE! Consegui entrar no teu blog e comentar. Os bugs.
Concordo, claro. O caminho do facilitismo embora bem pavimentado, confortável, normalmente acaba na corrupção, seja do que tipo for.

Isabelices disse...

Engraçado, com esta metáfora fizeste-me lembrar o Fernando Nobre!

Abraço

Rafeiro Perfumado disse...

Orquídea Selvagem, tu não me mostres a língua, pá!

Me, Myself & I, eu admito que quando perdia num jogo insultava a mãezinha dos programadores. Aliás, ainda o faço!

Cacarol, queres com isso dizer que essas rameiras acham todos os estrangeiros inteligentes?

Ardnaxela, tu adoravas matar patos? E isso passou-te ou evoluíste para a matança de outras espécies? Beijoca!

Paloma, até há jogos em que o objectivo é atropelar pessoas, vê lá. Por acaso é um dos meus favoritos...

Rafeiro Perfumado disse...

José Sousa, eu também jogava isso, nas traseiras da minha casa. E ali não havia batotas, sob pena de terem de passar pelas “fileiras”. Abraço! E claro que ia!

Psimento, eu costumo brindar os meus vizinhos com gritos desse género, mas é mais “ESTA #%$%# DE JOGO ESTÁ VICIADO, EU MATEI-O!!!” ou “MAS COMO É QUE O TIPO ME MATOU SE NEM DE RASPÃO ME ACERTOU?!? CAMBADA DE #%$%&#&#$!!!”. Abraço!

Henrique Marques, já para não falar das que diriam “mais valia marcares o raio do código, sempre ficavas com mais tempo para me ouvir e falar comigo. A vida não é só sexo, sabias?!?”. Sofremos tanto...

Refemdabd, estão explicadas as pancadas que eu ouvi neste blog, eu a pensar que eram os vizinhos na brincadeira e afinal eras tu a tentar entrar. Abraço!

Isabelices, queres com isso dizer que o meu texto é rançoso, vira-casacas e palhacito? Beijoca!

Ardnaxela disse...

Podes estar descansado... Passou-me.

conchita disse...

Bem...eu até compeendo os batoteiros, porque eu andei anos a tentar acabar um jogo de zombies com outros monstros a mistura e só me faltava um nível para terminar,mas a verdade é que nunca consegui!!, que frustação!!,buaaaah,buaaaah....,se ao menos tivesse o madito código nas minhas mãos...poderosaaaa, lol!!!
Bom feriado:)

Malena disse...

Contornar os obstáculos numa corrida em que devias saltar-lhes por cima? Qual é a piada? É como ir para a cama com um gajo que tem uma ejaculação precoce!

Tio do Algarve disse...

Também não percebo essa pressa de chegar ao fim. E com batota? Serão do governo?

paulofski disse...

Não admira que tenhas as paredes rachadas. Compraste uma wii, foi?

Táxi Pluvioso disse...

Ah! vejo com muito agrado que esses jogos são educativos. Ensinar que isto é mar de rosas de honestidade é cortar o futuro das gerações, ensinem-lhes a ser trafulhas para terem sucesso nos mercados.

Rafeiro Perfumado disse...

Ardnaxela, juras?

Conchita, acho que nesse caso justificava-se o doping!

Malena, pior, é ires para a cama com um tipo que já vai a fumar o cigarro pós-coital!

Rafeiro Perfumado disse...

Tio do Algarve, nesse caso a batota é para nos conduzir ao fim.

Paulofski, não, tenho uma reles PS2...

Táxi Pluvioso, é graças a estes jogos que sobrevivo nos transportes públicos!