Cuidado com o Rafeiro! Não é que morda, mas podes pisá-lo sem querer...

quinta-feira, 3 de agosto de 2006

Então e filhos?


Não, ainda não... chatos!

Texto disponível no livro
Rafeiro Perfumado - a minha vida dava um blog

22 comentários:

Anónimo disse...

Fui a primeira, fui a primeira! Rafeiro, não te conheço, tu não me conheces, mas só tenho uma coisa para te dizer sobre este Post... Fenomenal!
Lara Silva

Anónimo disse...

Relativamente a este texto acho que não podia estar mais realista. Mais! Eu acho que o principal objectivo do people é ser uma manada. Porque tu já estás na fase dos comentários sobre os filhos, mas eu digo-te os passinhos da vida para a mentalidade "Manada":
1º Então já namoras?
2º Então e para quando é o casório?
3º Então e rebentinhos?
4º Vais para o lar?

Epá, não há mesmo pachorra!

Mas o pior é que se tu não segues estes passos (e outros não menos interessantes) começas a ficar um bocado excluido daqueles que te habituaste a ter como amigos. Eu que não sou casada nem tenho namorado sinto a mesma coisa que tu com os "rebentinhos", eu sei que não tenho mto o apelo de maternidade, mas realmente o meu objectivo de vida é mesmo andar a retroceder na idade... É optimo qdo encontro os meus amigos e nem podemos falar pq aqueles adoráveis pequeninos dominam o espaço e a conversa. Uma coisa que gosto é anular-me.

Pensando bem, não será pq ainda não se realizaram como pessoas e tem necessidade de transferirem-se para os filhos? É que a esperança é a ultima a morrer e pode ser que os rebentinhos consigam aquilo que eles gostavam e não conseguiram...!

PARABÉNS MESMO!

Rafeiro Perfumado disse...

Obrigado, anónima bem conhecida! E concordo contigo sobre esse outro cerco. E ainda poderiamos falar de outro, que é quando os casais têm o primeiro filho e começam de imediato a perguntar "Então e quando é que vem o maninho?". Cambada de palhaços...
Eu apenas me foquei no caso referido no blog por uma questão de espaço e ligeiramente umbilical. Espero que me perdoes...

Anónimo disse...

Rafeiro, simplesmente o melhor post que já fizeste e muito possivelmente farás. Conseguiste descrever na perfeição um dos grandes estigmas da nossa sociedade. Os meus mais sinceros parabéns!
FD

Anónimo disse...

Rafeiro, tens toda a minha simpatia, dado que tb sou daqueles que tá sempre a levar com essas perguntar imbecis. Até já uma vez imprimi uma folha a dizer NÃO SEI!!!
Assinado,
Verde para Sempre

Anónimo disse...

Apesar de achar que saiste um bocado da tua "linha editorial", dou-te os parabéns por este post, Rafeiro. Não é nada fácil falar seriamente a brincar dum assunto tão complicado como este, onde as pessoas são estereótipadas por simples opções de vida ou condicionalismos a que são alheios. Vês, também consigo fazer um comentário sério!

Beijinhos,
Filipa Sousa

Gustavo disse...

Quero dizer que estou na mesma sintonia e ainda por cima comovido. De facto, a pressão de quem até tem as melhores intenções pode ser insuportável. Um grande saludo, rafeiro, pelo tema, pela forma de abordagem, pela capacidade de sintese e pela iniciativa. Quando criarem um Nobel em que o povo possa votar, do tipo "Voce Decide" ou "Agora Escolha", conta com o meu voto!

Anónimo disse...

Volta mas é a escrever sobre gaijas, que para isso tens jeito!

Rafeiro Perfumado disse...

Bem, eu normalmente abstenho-me de comentar os comentários, acho muito mais piada lançar o pânico e depois observar o caos duma posição isolada, mas dado o rumo que alguns posts estão a ter, vejo-me obrigado a ser mais interventivo. Neste, por exemplo, parem com os elogios, pá! Estou a ficar tão inchado que, de simples rafeiro, neste momento pareço um São Bernardo acabadinho de sair do secador.

Anónimo disse...

Grande rafeiro! Quando um dia eu tiver um cão, quero que seja como tu! Só que maior, mais bonito e sem espumar da boca!
Abraço,
Vitor Dias

Anónimo disse...

Ai o menino gosta de lançar o pânico e divertir-se com as desgraças dos outros?!? E sabes que mais? Não acredito que tenhas 34 anos, a tua escrita é mais de teenager (isto talvez não seja uma critica) inconsciente.
Bjs,
Filipa Sousa

Anónimo disse...

Rafeiro,conta aqui ao amigo o segredo... eu farto-me de me meter com a pipinha e népias, tu dás-lhe pouco mais que desprezo e a miúda não te larga. Acho isso muito injusta. E se ela não reagir a esta é pq é um programa informático e não de carne e osso.
Vitor Dias

Anónimo disse...

Já não vinha a este blog há bastante tempo e confesso que estou arrependido do tempo de ausência. Mesmo correndo o risco de fazer estoirar o ego do Rafeiro, não posso deixar de considerar brilhante este post. E pq? Pq me identifico totalmente com ele. As bocas que eu tenho mandado não têm sido tão espirituosas (a do esquerdo e do direito vais-me perdoar mas vou copiá-la) mas o sentido está lá. Também eu peço que me deixem viver em paz que de mim receberão o mesmo tratamento.
Muito obrigado Rafeiro,
Rui Sousa

Anónimo disse...

Este post é dos profundos... para reflectir, meditar e comentar a sério. É por isso que me fico por aqui...
V. Tavares

joana disse...

Ora bem, comentar isto é complicado.
1ºGostei muito.
2ºConcordo quando dizem que a sociedade criou estereotipos e nos quer encaixar à força neles, o facto de não se ter um namorado é um deles, se por um lado os pais adoram que as filhas não tenham para não imaginarem o que podem estar a fazer com eles nas horas vagas, por outro lado sentem a necessidade estúpida de compararem as namoradas/os dos seus rebentos com as suas amigas que tembém têm rebentos da mesma idade, e depois querem saber de onde são, quem são os pais, o NIB da conta bancária... Eu acho que fugi a tudo isso e para a família e conhecidos familiares sou uma estranha marciana que adora a independência e considera que namorar não é o principal das nossas vidas, nem casar e coloca na profissão que adora toda a sua paixão - chamam-me ou não me chamam mas consideram-me maluca e cheia de modernices.
A verdade é que namoro e gosto de namorar não pelo estereotipo da sociedade mas porque para mim ter um namorado é ter o meu melhor amigo que está ali num apoio ilimitado psicologico, social e fisico e continuo apaixonada por ele e pelo meu emprego. Pronto cedi ao estereotipo mas simplesmente porque considero que tive vantagens ao ceder e continuo a ter vantagens ao ninguem saber dessa realidade dentro da minha familia - ninguem me chateia e deixam-me sair a noite.
3º filhos é complicado, eu gosto muito de uma prima minha, adoro aquela criança (talvez porque é o ser humano com melhor educação que eu conheço e posso mima-lo à vontade), mas não sei se um dia quererei ter principalmente porque hoje em dia vivemos numa sociedade do tempo - estudamos até tarde, começamos a trabalhar tarde e tornamo-nos equilibrados em todos os parâmetros tarde e quermos gozar a vida até tarde e biologicamente começa a existir uma barreirazita para ter filhos - vamos ter filhos aos 40 anos? eu gostava de estar livre até aí, mas acho que se o fizer vou estar a prejudicar-me a mim e à criança porque ainda vou ter menos paciência e compreensão para as mudanças do mundo e aceita-las nos meus filhos.
Não ter filhos? É uma escolha e como tantas TEM DE SER aceite por todos os que nos rodeiam e como sempre NUNCA É COMPREENDIDA e vem aqueles "azeiteiros" mandar bocas e piadas.
O que me irrita esta historia de sociedade e manada de cordeiros, mas é assim não é? Não ouvir e andar apara a frente.

Rafeiro Perfumado disse...

Obrigado, Joana. Quando eu pensava que já ninguém iria ler isto, sempre apareceu alguém que leu e acima de tudo compreendeu o que eu quis transmitir. Um grande RAUF para ti!

Whispy disse...

...que pena este artigo não ser de leitura obrigatória na escola!!!
Sofro do mesmo mal.. Nao sou casado, nunca fui, nem tenho pressa de o ser.
A unica coisa que varia em mim, é o insulto: Deve ser gay...
...e logo eu que gosto tanto de "gajas"!!!

Rafeiro Perfumado disse...

Whispy, nem imaginas o quanto fico contente quando alguém "descobre" um texto meu mais antigo, especialmente este, que é onde mais aparece o lado do dono do rafeiro. Realmente o texto aplica-se também ao pessoal que não seguiu o curso "normal", como casar. Evacua neles, é o que eu faço! Um grande RAUF para ti!

Just_me disse...

Rafeiro, hoje apeteceu me vasculhar o teu blog, o que me agradou imenso...
Mas este mexeu comigo...
Ter filhos é algo que eu quero muito, no meu caso só não tenho porque não acontece e pelas duas vezes que aconteceu não resultou...
Ainda esta semana me disseram esta frase: " tu é que não sabes como se faz, queres o livro de instruções" frases infelizes que ouço muitas vezes...
Acho que as pessoas não aceitam as diferenças, voluntárias ou involuntarias, daí as bocas e serem muitas vezes desagradaveis...
Cada um é como cada qual, tendo o direito as suas escolhas sem julgar ng...

bjs

Rafeiro Perfumado disse...

Como tive oportunidade de te dizer, Just Me, talvez sejam episódios como este que nos fazem ver quem realmente interessa manter ao nosso lado e a quem devemos dar um chuto na peidola...

Peste disse...

sabes axo q todos colocamos etapas na vida e axamos q todo têm de s reger por essas leis.

se tivesses um ilho logo te perguntariam quando vem o 2º.

é o curso das coisas fazer essas perguntas idiotas q não contribuem para a felicidadede ng nem aumentam em nada quem as faz...

a unica coisa que se consegue com isso... é melindrar e muitas vezes maguar a quem se irigem, mesmo que não intencionalmente.

Sem Stress. Vive a tua vida o melhor que puderes, pk se um dia a surpresa t bter à porta podes dier q viveste os 2 lados... já eu... às vezes tb gostava deter liberdade de escolhas.

beijos

Rafeiro Perfumado disse...

E vivo, Peste, acredita que vivo...

Um grande RAUF para ti!