Cuidado com o Rafeiro! Não é que morda, mas podes pisá-lo sem querer...

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

A verdadeira história dos Alfacinhas

Se me chamas de alfacinha é bom que estejas a pensar em dar-me banho em azeite e vinagre.
 
Texto tão brilhante que teve de ser removido para um local mais seguro, mais precisamente o livro Agarrem-me ou dou cabo desses palhacitos!

113 comentários:

Teté disse...

Como instrumento de pesquisa, passar numa rua perto de uma biblioteca é um 'must'. Embora não tenha a certeza se, no caso, passar perto de uma horta não fosse mais elucidativo...

Quanto a amigos que se riem alarvemente de piadolas com barbas, pois, não se perde nada em elevar o nível! Mesmo que a amizade acabe nas urtigas, pelo menos deste-lhe um motivo para pensar... e ele devia agradecer a tua generosidade e altruismo! :D

Beijocas!

*B* disse...

Eu sempre achei que seria assim:

Lisboeta de gema - quem nasceu e vive em Lisboa;

Lisboeta - apenas nasceu mas não vive;

Alfacinha - vive em Lisboa mas nasceu fora!

Será?!

Mas... Curgetinhas seria perfeito!

[lol]

Bongop disse...

Curgetinhas seria bom... mas "pepininhos" seria melhor!
:D

Zaratustra disse...

pode ser que neste sitio

http://geo.cm-lisboa.pt/

ajude a encontrar a razão de os alfacinhas serem os naturais de Lisboa.

mas à sempre uma razão para os naturais de um sitio terem uma alcunha colectiva.

mjf disse...

Olá!

Ser alfacinha de gema... ou se nasce ou não. Não é para todos! Temos pena! :)

Beijocas

Sandra. disse...

RAUF

Intressante raf, pracasu só sei pq nós somos tripeiros, nunca minteressei pq sois alfacinhas pq sempre pensei q o são pela fineza, a alface é fina né?? ihihihi nós tripeiros somos conhecidos por sermos curtos e grossos :)))) possivelmente até posso ter uma ideia correcta né?? quando era miuda ouvia dizer q os lisboeta/alfacinhas trocavam o B pelo V, e era verdade, em vez de boi diziam voi, nós por cá dizemos boi e baka...alguem teve a brilhante ideia de vos apelidar de finos, de alfacinhas lolollllllllllll

bexuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuus

Sandra. disse...

finos = xikes

Odalisca disse...

Uma questão interessante... :P

cassamia disse...

eu faço parte das três pessoas (mas tb isso nao é nobidade para ti porue só nós os dois sabemos que eu sou uma ignorante)mas, confesso-te que correndo o risco de ir às urtigas, eu fartei-me de rir com a anedota ahahahahah
e ainda te acrescento que em trás-os-montes devem existir,sei lá, 3 homens que não concordamque os alfacinhas são destomatados ahahahahaha

RAUFinhos pa tu

piggy disse...

ah mosse marafade ...
as coisas que tu t'alembras

:D

AmSilva® disse...

Resumo:
Fico na mesma sem saber o porquê dos alfacinhas... estive aí durante dois anos e ninguém se atreveu a explicar a razão...
mas nem tudo é mau, aprendi mais uma anedota sobre mouros, perdão, sobre alfacinhas!!
Sim... é verdade... ainda não conhecia esta; quem são os outros dois?!?
Abraço

Vani disse...

Bem, eu realmente não tenho tomatinhos, pelo que não poderia ser saladinha. E esse teu hipotético amigo esqueceu-se que alfacinha com tomatinho é uma saladinha mistinha. Saladinha de alfacinha é bem bom, especialmente se for regadinha com azeitinho, vinagrinho e oregãozinhos.

ass: uma alfacinha :D

Vani disse...

perdão, a alfacinha marafada, débo!

Vani disse...

ps2- e às vezes almariada, temos de concordar.

Peter of Pan disse...

Rafa: hás-de ter muitos amigos, hás-de.

P.S.: "curgetinhas" é muuuuito bom!

P.S.2: Pá, não fui ao jantar por razões que expus ao Gonçalo. Tive pena. Fica para outra oportunidade.

P.S.3: Não tenho mais nada para dizer, apenas ponho mais um P.S. só para te chatear... :)

Kapikua disse...

Eu acho que a origem do nome surge na mesma lógica do abecedário...
Passo a explicar:
Lisboa, terra de tios e tias referendou qual o mais "in" de 1640.
O resultado foi:

Alfa - Cinha Jardim
Beta - José Castelo Branco
Gama - Vicky Fernandes
Delta - ...

Tal como acontece em abecedário ou alfabeto o conjunto de Lisboetas passou a designar-se pelo nome inícial da relação: alfacinha!
Digo eu...

Pena que o Zézé e o Toni da conversa da treta não tenham sido lembrados, pois ilustrariam também de forma fiel uma boa porção de personagens da capital.

Grande abraço

the big fox disse...

Alfacinha porque sim e prontos.
ha coisas que não se discutem, são assim porque sim...
Como sabes estou em missao, como qualquer descobridor Portugues sinto que embarquei numa caravana com a missão de, digamos, levar para o bom caminho novos povos...
Por isso, meu amigo, te digo que ha coisas que são assim porque sim e mainada...
abraço entripeirado...

Gio disse...

O primeiro registo literário dessa alcunha deve-se ao Almeida Garrett em "Viagens na minha terra". Como o gajo era do Porto, já dá para desconfiar.Desconfio ainda mais de alguém quando se chama "Leitão" e muda o nome para "Garrett" porque teve uma avó de origem irlandesa.
Quanto aos alfacinhas a minha explicação é que já do tempo do Camões, os lisboetas entregavam o trabalho pesado aos rudes saloios, aos robustos alentejanos e aos escravos estrangeiros. O menino da casa passava o tempo na borga e a menina a namorar. Hoje talvez se utilizasse o termo "flor de estufa" e vez de "alfacinha" uma planta frágil com a qual é preciso ter todos os cuidados.
Ou pode ser outra coisa..
Um abraço,

Olhos Dourados disse...

Realmente isso das alfaces nunca percebi. É que nem sequer são verdes.

CF disse...

Alfacinha n é bom. Mas dizem por aí, que eu sou Rabina. Confesso que me soa pior. Não sei, digo eu...

Carla disse...

hummm olha a produtividade das tuas manhãs...mas deixa lá entre as alfaces e as tripas venha o diabo e escolha!
e já agora coitado do teu amigo ficou-se pelas urtigas
beijo

Vício disse...

curgetinhas?
às mulheres também?

turbolenta disse...

Que mau feitio!
Sempre à pega com os amigos. Qualquer dia ficas sem nenhum.
lol lol lol
a sério: há coisas para as quais nunca conseguimos uma resposta plausível.Tudo fica pelo...se....talvez...
Mas em tempos já me soou que Lisboa que durante um cerco a LIsboa, as pessoas só resistiram pois não morreram à fome devido ás alfaces que todos tinham nos quintais. Aliás, na zona antiga da cidade, os prédios, nas traseiras, tinham grandes espaços de terreno que as pessoas utilizavam para hortas.POrtanto, na parte interna de cada quarteirão de prédios, abundavam as hortas. E as alfaces são de rápido crescimento, talvez daí a sua utilização em larga escala.
E o Arq. Ribeiro TEles defende, afincadamente, que cada prédio devia ter um espaço para horta. Aliás, ele deve ser muito campesino, pois até transformou o jardim da Gulbenkian de tal maneira que há extensões com trevo e uns lagos de metal baixinhos para os passarinhos e pombinhos beberem água. O pior é que os pombos cagam tudo , reproduzem-se em grande e ninguém dá conta deles. Esses lagos, acabam por ganhar mosquitos que é um vê se te avias e aquilo...de jardim, eu, pelo menos, acho que não é o conceito da maioria dos portugueses. Aliado a tudo isto, recebe fortunas por esta verdadeira obra de arte.
E agora?
quem tem mau feitio? és só tu?

beijinhos

Narizinho Lunático... disse...

Espargozinhos, parece-te bem?... São esguios, delicados, comê-los revela "finése"... E comê-los também significa sacrifício... Que aquilo não sabe a nada... É como os alfacinhas... Quer dizes, as alfaces! :p
Deixa lá, eu também não percebo porque razão chamam aos "nativos" da beira-mar aqui da terrinha de "cebolinhas"... Será que só comiam cebolas? Será que cheiravam a cebola? Será que faziam as moças chorarem como se eles fossem cebolas?... Pois, não sei... Mas deste-me uma boa idéia para ir pesquisar... Ainda que eu não vá passar numa rua lateral à biblioteca! :p Bjitos

Três Tempos disse...

Sou apaixonada por alface(..)inha, beijo-te...

Patrícia disse...

Olá olá
Como te compreendo...
A mim acontece mais ou menos a mesma coisa, mas ao contrário. Comigo são os Lisboetas com as anedotas sobre a província. :)
beijinhos
Pat

A Teoria do Kaos disse...

LOL, só tu ;-)

Felina disse...

Yessss aprendi mais uma anedota sobre os lisboetas

MZ disse...

Então os lisboetas são alfacinhas porque noutros tempos eram o contraste com os galegos do norte... homens entroncados, fortes pela força do trabalho duro da terra e os Lisboetas eram pessoas delicadas, finas...

Agora, trinca uma couve galega e depois uma alface e vê a diferença...


Não entendo porque te ofendeste tanto com o teu amigo meu "lactuca sativa"
:)

bjo

Gingerbread Girl disse...

Não vivia em Lisboa, nem que me pagassem!
Fiquem lá com as alfaces. =p


*

Carlos II disse...

Al...face. Al de árabe. É isso. O resto, talvez se refira à fase mais horticola. É verificar a vontade que os lisboetas têm em fazer hortas por tudo quanto é sítio. Basta viajar de comboio.

Um abraço

elvira carvalho disse...

Mais um texto de excelente humor. Adorei. Só me fez confusão o passar perto da biblioteca para descobrir as origens do Alfacinha. Uma horta não era mais lógico? De qualquer modo entre os exemplos apresentados no texto convenhamos que alfacinha é mais bonito do que tomatinho, ou laranjinha. Pelo menos não tem conotações politicas...
Quanto ao stereoestireno, consegue-se colocando uma coluna de cada lado do monoestireno.
E esta hem!...
Um abraço

Anónimo disse...

Ouvi dizer que foste a um jantar ;) Que tal correu? Muitas cadelinhas jeitosas e perfumadas ou so rafeiros também? ;)

bjs

MF

*Nós* disse...

Hummm isso fez-me ficar aqui a pensar, porque raio será que chamam tripeiros ao pessoal aqui de cima...
Acho que vou investigar o caso :P

Beijinho

A.Menina

Je Vois la Vie en Vert disse...

Alfacinha, curgetinha, tem que ser sempre verde, não é ?
Então, aprovo !

Beijinhos da

Verdinha

Vani disse...

"Segundo uma explicação, o termo advém do facto de na região da cidade de Lisboa a alface ser uma planta abundante, e dada a origem árabe da palavra, ter sido cultivada em larga escala durante o período muçulmano.

Esta abundância de alfaces, está também ligada a outra explicação, que atribui a origem do termo ao facto de esta ter sido o único alimento disponível aos habitantes durante um prolongado cerco"

Blayer disse...

Os terceirenses são chamados rabos-tortos.
A explicação é porque esse era o nome dado a uma raça de cães regional.
E é A UNICA EXPLICAÇÃO POSSIVEL.

Vani disse...

"O certo é que a palavra ficou consagrada e, de Almeida Garrett a Aquilino Ribeiro, de Alberto Pimentel a Miguel Torga, os grandes da literatura portuguesa habituaram-se a tomar ‘alfacinha’ por lisboeta"

portanto, segundo o gabinete de estudos Olisiponenses, a culpa acaba por ser dos escritores do século dezanove...

Vani disse...

"Em árabe (e também em hebraico) chama-se Hassa. Precedida do artigo, em árabe, é “Al-Hassa”. E como já vimos em entradas anteriores, o H gutural semítico deu F em português, temos “alface”. Por isso, os especialistas são tentados a pensar, e provavelmente com razão, que foi a invasão dos mouros que trouxe para Portugal a alface."

daqui: http://steinhardts.wordpress.com/2006/11/14/saloios-e-alfacinhas/

Pax disse...

Eu voto no "ervilhinhas". Pequeninos, anafadinhos e com potencial para serem cuuzidos de várias maneiras!

:)

Sandra disse...

Que mau...
Sempre mordaz, como se quer ;)
Não deve ser nada fácil ser teu (tua) amigo(a)...

Sandra C.

Vani disse...

ahahaha, daqui a pouco és um mau feitio. LOL (desde que não se amande bocas à tribo futebolística encarnada, tásse beeeem! ;D)

silvinha disse...

Nem sei que te diga, mas tenho a certeza,que o gajo que inventou isso(sim porque isso so pode vir de um homem ;P!!) esse sim é uma ganda alface sem tomatinhos, e já com piolho!

Lambidelas aluadas!

marco disse...

és um alfacinha!!! verdinho...ja viste..estas no clube errado...muda pos verdes!!vermelho é tomatinhos!

Diabba disse...

hihihihi confesso, sou uma das 3 pessoas que não conheciam a piada dos lisboetas... as outras duas que se cheguem à frente, buga rir da piadola nova! hehehehe

enxofre

Eli disse...

Tanto trabalho para perceber que afinal alface é sinónimo de urtiga!

hehe

Eu só uma das três que não conhecia a anedota. Os outros dois que se manifestem, pois podemos fazer um encontro, mas só se forem interessantes!

:P

saltos altos disse...

porque não repolho em vez de alface??é muito mais sonoro!!
(olha lá sabias que comprei o teu livro há precisamente 3 dias antes de ir parar ao teu blog por acaso?? gostei muito. Espero que fiques rico, sinceramente rico. Há pessoas que merecem. O Mcdonalds, aquele senhor que não deve ser o palhaço, merece todo o tostãozinho que tem, e aquele sr que inventou as espetadas de fruta com chocolate (ali do colombo) espero que esteja a dormir em cima de notas de 500 €)

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Delicioso... :):):):) bela resposta. Mas o que gostei mesmo foi do "curgetinhas" :)

abraço

(isto agora tem outra responsabilidade nos comentários ;););)

casos reais disse...

antes quero continuar alfacinha sem tomates do que um outro qualquer vegetal. ahahaha!!

gotadevidro disse...

Resumindo fiquei também na mesma sem saber a dita origem...

Curgetinhas sem dúvida bem mais giro e francamente mais elucidativo.


bjocas

Kok disse...

Isto de contar anedotas e piadas "regionais" pode ser perigoso.
Até me admiro como tu, Rafeiro, não lhe ferraste a dentadura.

Sun Iou Miou disse...

Mas afinal os lisboetas têm tomates ou não têm?

(Outra amizade às urtigas)

Nuvem disse...

Hummm
acho que vou dizer à minha família de professores para ensinarem aos alunos que basta passar na rua em frente à biblioteca para ficarem a saber tudo (e aproveitam e ensinam o que é osmose) :)
Mas tirando isso, também nunca percebi porque são alfacinhas (será por serem dessa côr? mas hoje a alface é de várias cores)...
mas adorei a tua resposta àquela anedota imbecil ;)

beijinhos

Pepper disse...

Eu não gosto muito de courgettes, pode ser beringelas?

Beijocas

Diaboderoupacurta disse...

Não sabia que os Lisboetas eram tratados por Alfacinhas lol

Então, em Maio, vou ser alfacinha por uma semana :D

Rafeiro Perfumado disse...

Teté, e onde é que eu encontrava uma horta aqui dentro de Lisboa? Quanto ao amigo em questão, pela cara que ele fez acho que não apanhou completamente o sentido da piada, sinal disso é que continua a falar-me. Beijoca!

*B*, essa de ser de gema também tem muito que se lhe diga. Por acaso nós nascemos dentro de algum ovo, para sermos de gema? E somos chocados? ;) Beijo!

Bongop, pepininhos? Não achas que isso poderia ter conotações com máscaras de beleza e outras rotices?

Zaratustra, andei a pesquisar esse link, mas sinceramente acho que ignorar a origem e inventar dá menos trabalho. Em todo o caso, obrigado.

Rafeiro Perfumado disse...

MJF, claro que não é para todos, nem teria piada, se não existissem motivos para brincarmos com as origens de cada um. Mas a piada dos tomates acho mesmo cretina... beijos!

Sandra., não é lá muito elogioso dizer que a malta tripeira é curta e grossa, a não ser que sejam apologistas do ditado “antes pequena e brincalhona que grande e mandriona”. ;) Beijo!

Odalisca, e alguma vez eu levantaria aqui uma questão sem pertencer a essa categoria?

Cassamia, queres com isso dizer que há três homens em Trás-os-montes que conhecem a genitália de todos os alfacinhas? Beijos!

Rafeiro Perfumado disse...

Piggy, e das que eu não tenho coragem de contar, nem te passa... ;)

AmSilva, sobre a origem do apelido “mouros” é outra conversa, a ser abordada mais lá para a frente. Abraço!

Vani, e cebolinha por cima, não? Eu por acaso é das poucas saladas que como, alface. Isso fará de mim um canibal, mesmo estando a comer vegetal? Beijo!

Peter of Pan, PS: o que é isso de que tanta gente fala, “amigos”? Quanto ao resto, palhacito, pá... Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Kapikua, por esse teu raciocínio os lisboetas têm sorte em não serem chamados de abrunhinhos, certo? Abraço!

The Big Fox, o meu caro amigo já me vai conhecendo o suficiente para saber que o “é assim porque é” não cola muito comigo, eu gosto de ir ao fundo das coisas. Não a tudo, mas nisto das expressões, sem dúvida! Abraço, lisboeta evangelizador!

Gio, estás então a dizer-me que a origem desta expressão reside num habitante do Porto... é que já nem preciso de saber mais nada, tudo ficou bastante claro para mim. Abraço!

Olhos Dourados, a não ser quando andam de barco, aí alguns ficam bastante verduscos. E os sportinguistas, claro, mas isso é outra história.

Rafeiro Perfumado disse...

CF, entre alfacinha e rabina, venha o Alberto João Jardim e escolha.

Carla, e essa foi das mais produtivas! Quanto ao meu amigo, deixa-o ficar nas urtigas, pode ser que um dia se lembre de piadas com piada. Beijo.

Vício, especialmente as mulheres!

Turbolenta, qualquer dia? Já esteve bem mais longe, mas pelo menos sou fiel ao que penso. Quanto à tua explicação, também a encontrei, mas custa-me a acreditar numa cidade a sobreviver à custa de alface. A ser verdade, a alcunha dos lisboetas deveria ser “ruminantes”, “grilinhos” ou coisa do género, não achas? Beijinhos!

Rafeiro Perfumado disse...

Narizinho Lunático, não gosto da possibilidade dos espargos. Já quanto à vossa alcunha, será que tem a ver com a turma da Mónica, da malta aí ter o cabelo espetado? Beijos!

Três Tempos, eu até casei com uma! Beijo!

Patrícia, quando te aparecer um lisboeta desses, das duas uma: ou o mandas levar na peidola ou manda-lo fazer exercício no maior ginásio de Lisboa, o Colombo. Beijinhos!

A Teoria do Kaos, conheço mais uns quantos palhacitos que têm ideias igualmente parvas. Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Felina, experimenta contá-la a mim, que vais ver o que te acontece.

MZ, eu não me ofendi com o meu amigo, ainda mais porque eu não sou lisboeta, simplesmente acho que a proporção piada / riso deve ser controlada, pelo que uma anedota daquelas deveria dar lugar, no máximo, a um sorriso. ;) Beijo!

Gingerbread Girl, eu que me calhe o Euromilhões que irei ver até que ponto resistem os teus princípios! Kiss!

Carlos II, isso já é mais no IC19, ali é que se vê com cada alface mais viçosa, o fumo dos tubos de escape fazem milagres! Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Elvira Carvalho, então se colocarmos várias colunas à volta do monoestireno temos o surroundestireno, certo? ;) Beijoca!

Anónimo MF, eu janto todos os dias. Se estiveres a referir-te ao de Sábado, sim, correu muito bem, com gente muito interessante, uma experiência a repetir. Beijocas!

*Nós*, isso não tem a ver com a especialidade gastronómica? Beijoca!

Je Vois la Vie en Vert, mas olha que depois as coisas amadurecem! ;) Beijocas!

Rafeiro Perfumado disse...

Vani, esta sucessão de comentários tem a ver com eu ter-te dito que estava a ficar sem eles? Sem os comentários, entenda-se!!!

Blayer, nem quero saber como é que surgiu essa tal raça de cães.

Pax, cheira-me que a tua sugestão não constará nas alternativas do referendo... ;)

Sandra, é muito fácil ser-se meu amigo, acredita, manter-se é que é mais complicado. Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Vani, fique sabendo que a única tribo futebolística com quem eu gozo é com a encarnada, pois em relação às outras seria demasiado simples. ;)

Silvinha, eu acho que quem inventou isto tinha uns tomates assim para o pequerruchos, e quis vingar-se injuriando a malta mais abonada. E, tal como muitas mentiras, de tanto ser repetida acabou por ser aceite como verdade. Beijocas!

Marco, por acaso nasci no Barreiro, daí a minha cor ser mais vermelhusca! ;) Abraço!

Diabba, esqueci-me de ti, vou emendar o texto para “quatro pessoas”! Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Eli, acho que se correres os comentários por aí acima encontras os outros. Mas por outro lado fico contente, quer dizer que nunca foram obrigados a ouvir anedotas parvas. Beijo!

Saltos Altos, e acreditas que não é a riqueza que me motiva? Claro que muita gente ao ler isto pensa “pois, pois, conta-me histórias”, mas garantidamente não é isso que me faz escrever, antes saber que pessoas que nunca ouviram falar do blog são capazes de comprar o livro e achar-lhe piada. E isso, cara jove, vale mais do que muito dinheiro (resisti a colocar “todo o dinheiro do mundo”). Beijocas!

Daniel Silva, mas qual responsabilidade, jove, aqui o que se quer é loucura! Abraço!

Casos Reais, desde que não estejas a pensar constituir família, tudo bem!

Gotadevidro, já somos dois, a intenção era mesmo essa! Bjocas!

Rafeiro Perfumado disse...

Kok, talvez porque a anedota não foi sobre alentejanos. Sim, que Barreiro é além do Tejo! ;)

Sun Iou Miou, é algo a que não estou habilitado para te responder, mas acreditando que nascem cá crianças, é de acreditar que sim. Beijo abraçado!

Nuvem, mas olha que não é impossível de todo, basta levar um PC com o Bluetooth ligado, fazer a ligação ao servidor da Biblioteca e aceder aos conteúdos! ;) Beijocas!

Pepper, por mim, nem vou ser eu a ter essa denominação... Beijocas!

Diaboderoupacurta, lamento informar-te que para teres direito à denominação alfacinha tens de cá passar no mínimo 17 dias. ;)

Sandra. disse...

:)))

kingrassadinhu q me sais te pah...RAUF!!! ké o mesmo q calou!!!

“antes pequena e brincalhona que grande e mandriona”

Eu n tenho razões pácreditar nesse ditado, mas craro, falo per mim :))))))))))

bexuuuuuuuuuuus ó mouro-alface

dermatologistested disse...

sei que alface tem um pericarpo lá para a região do funículo...não chega??? para que são precisos mais legumes???? senta! rebola! bj.

Vani disse...

Cebolinha não. Cebolinho, talvez, não sei, nunca experimentei com alface. Tb devo ser canibal, gosto muito de alface.
Sem eles? sem eles? porquê? acaso estás? a ficar sem eles?

Conversa Inútil de Roderick disse...

Olha lá! Próximo "postre" a 2 de Dezembro? Agora vais começar a servir sobremesas à espanhola, é?

Little Box disse...

A resposta que deste ao teu "amigo" não foi nada má. Nada mesmo! LOL. Não admira que a amizade tenha ido às urtigas =P
beijinhos

Nanny disse...

LOL

Courgetinha nãoooooooo! Era o que mais faltava... logo um legume que eu não gosto...

E na realidade em Portugal o que não falta são vegetais... aliás, nem é por acaso que costumo dizer que temos "cabeças de nabo a mais e falta de tomates..."... problemas agrícolas, mau planeamento, claro!

Beijocas cachorro

Dakota disse...

Gosto muito de alfacinha, mas, com efeito, gosto mais de courgettezinha :).

De que te queixas Rafeiro? Eu sou tripeira. Achas esta denominação admissível? (mesmo que tenha uma história ...!)

(olha aí as piadas!, estou a avisar)

eu mesma! disse...

eu acho que sei porque é que nós nascidos em Lisboa somos "alfacinhas". Como bem disseste partindo a palavra em "al-face-inhas" deduz-se logicamente que fomos batizados por um brasileiro arabe que se referia a nós como "os caras" mas em arábe, tendo reflectido no assunto chegou à conclusão que somos pequenotes, daí o diminuitivo.

Agora quanto á resposta ao gajo da salada acho que foi bem dada, sempre ouvi dizer que os que cantam de galo são os piores neste caso o gajo não devia ter mesmo tomates e andava traumatizado com isso

Sandra disse...

Bem, alfacinha não é muito abonatório, realmente seria melhor saladinha pelos motivos expostos no texto.

Mas a nós do Porto...Tripeiros? bem só o meter tripa...já se vê, não é?

Depois de analisar vários vegetais...bem talvez...Tomilho...deve ser uma mistura de tomates e milho e servia tanto a homens como mulheres. Homens com tomates e mulheres boas como o milho. Está melhor assim?
:)

Sandrablogwithaview (é que aqui já estão muitas Sandras)

Space_aye disse...

Vi o seu blog e achei interessante e...hilariante.
É favor, se não tiver mais nada que fazer, de dar uma olhadela no nosso:
www.osgargulas.blogspot.com

Obrigado ;)

Felina disse...

Bem até experimentava... mas tenho um problema com as anedotas... esqueço me sempre delas

Laura disse...

Bom, quando fui de férias à madeira, há quase 30 anos, diz um na retrosaria; a senhora vai aos alfacinhas e compra lá as linhas mais baratas! e eu? qual alfacinhas, eu não pedi alface, eu quero é linhas! (tu ja falaste cos Madeirenses alguma vez?)ai minha senhora, tou a dizer que se for ao Continente (Portugal ai ai, nada de continente supermercado que ainda nem existia)no continente na terra dos alfacinhas a senhora compra melhor as linhas, enfim...
alfacinhas chamam na áfrica do sul aos portugas!...
beijinho e que saudade de ti, ams por vezes nem sei que te comente que te diga, ehhhhhh laura

Dragão Azul disse...

É alfacinha sim shr., podia ser outra coisa? Poder, podia, mas não era a mesma coisa.

Eu aos habitantes de Lisboa e arredores chamo outra coisa mas para não parecer mal fica mesmo alfacinhas... ou ainda saiu daqui com uma mordidela na canela.

Que tal achas dos habitantes da cidade Berço, dizem que teem lá uma grande equipa de futebol.... eheheheh... deixa-me fugir antes que venha a tal mordidela.

Abraço!

rapariga do garfo disse...

Olá Rafeiro,

Como era minha expectativa relativamente ao teu blog, está quase a tocar no genial!

:D

bjinho

entrelinhas. disse...

pepininhos era o nome ideal :p

sempre genial, este rafeiro!


beijo,
alfacinha sara

Alfacinha de Portugal disse...

Ouvi dizer que o nome origina das hortas antes espalhadas pela zona... e também por uma falta de alimento que se resumiu á presença de alfaces num período conturbado...

Mas vejamos: ALFACINHAS! É bonito e melodioso! Podiam ser nomes piores: Tubérculo, hortaliças, pistachios... ou remeter a algo visualmente mais grotesco e pouco atraente :)!

Mas adorei a sugestão das "ervilhinhas"! Pequenas e boas para muitos cozinhados. Além de saborosas...

aespumadosdias disse...

Sempre pensei que fosse por causa da cor da alface.
os verdadeiros Lisboetas são do SPORTING!
:)

paulofski disse...

Para vosso bem o Manuel Pinho já não é ministro do governo senão ainda tinha a brilhante ideia de promover o turismo Allfacinha!

Abobrinha, é chique não é!?

elvira carvalho disse...

Surroundestireno? Isso é o quê? Um bidon com várias colunas, ou um bidon um bocado sujo? Ai que lá tenho que ir procurar o dicionário.
Um abraço e bom Domingo

Mimo Azul disse...

:)) gostava tb de saber a origem da palavra, a teoria da horta não me convence!!!

eheheh "lá se foi a amizade às urtigas" demais!!!

beijocaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Táxi Pluvioso disse...

Ora, e eu que sempre pensei que fosse por obrarem fora de portas e o único material finalizador fossem folhas de alface.

Finalizador, uma palavra do futebol, agora que vamos ganhar o Mundial, fica sempre bem.

Os tomilhinhos ou rúculinhos não seriam maus nomes. bom domingo

ellen disse...

Eu nasci em Moçambique e os da minha terra designavam-se por CHUABOS lolol, porque motivo? até hoje nunca consegui saber, a não ser que havia um Cinema com esse nome...ou erámos todos bons actores ou então muito maus... ehhehe

'Alfacinhas' ... não sei não, apenas que é palavra de origem árabe rsssssssss

Beijinho para si e bom Domingo

Helena Paixão disse...

E eu que pensava que saía daqui com uma explicação para esta alcunha tão intrigante... sáio ainda mais intrigada com a tua proposta de alteração para curgetinhas (???!!) Aguardo uma explicação para o próximo post :-)

Bjs rafeirosos

Pax disse...

"Pax, cheira-me que a tua sugestão não constará nas alternativas do referendo"

Só porque não sou eu quem escreve as perguntas de referendo cá!
(Por falta de tempo da minha parte, claro). Ía ser bem mais interessante! ;)

Violeta disse...

Com ou sem vegetais, o amigo voltará...
Boa semana

marco disse...

se quiseres continuar a ser meu amigo...nao vas ao meu blog hoje!!

abraço!

é sem maldade! nao é preciso rosnar!

Deusa Odoyá disse...

Olá meu querido amigo.
com alfacinhas ou não,eu adorei a piada.
Uma semana abençoada para vc.
Mil beijinhos de luz.
Regina Coeli.
Aguardo sua vista ao meu cantinho.

Rafeiro Perfumado disse...

Sandra., ainda bem que falas por ti, ou o teu jove ainda era capaz de dar algum grito histérico, do género “o quéquéisso aí?!?”. Beijos!

Dermatologistested, tens-me em demasiada boa conta, achas que eu faço ideia do que é “pericarpo” ou “funículo”? ;)

Vani, nunquinha, apesar de não gostar muito deles. Em forma geral, não particularizando, claro!

Conversa inútil de Roderick, isto é o ADN empresarial que se está a começar a entranhar!

Rafeiro Perfumado disse...

Little Box, eu até acho que foi mais longe, mas francamente perder amizades por tão pouco não me chateia por aí além. Beijo!

Nanny, felizmente ainda vão sobrando uns animais como nós para ir safando a coisa, não achas? Beijoca, gata!

Dakota, tenho demasiados amigos por aí para entrar num despique desses. Mas não convém provocar-me, pois eu reajo... ;)

Eu mesma!, a tua teoria fascinante. Aliás, é tão fascinante que até tenho vontade de não ligar ao pormenor do baptismo ser celebrado por um povo que à data ainda não tinha sido descoberto. ;)

Rafeiro Perfumado disse...

Sandra, eu acho que se é para andar a chamar nomes, ultimamente “português” já é ofensivo quanto baste. Beijoca!

Space_aye, apesar de ter mais que fazer, já lá fui dar uma olhadela, também achei interessante. E agora, qual é o próximo passo?

Felina, não vou fazer mais comentários, então, prezo muito a tua amizade.

Laurinha, a última vez que estive na Madeira falei mais inglês do que português, pelo que compreendo perfeitamente o que dizes. Beijo!

Rafeiro Perfumado disse...

Dragão Azul, eu quero ver se daqui a uma semana vais continuar com essa opinião relativamente à equipa da cidade berço! Abraço!

Rapariga do Garfo, e toca de forma subtil ou de forma abrutalhada? Beijinho, gostei de te conhecer!

Entrelinhas, pepininhos? Não sei, só pelo formato do dito era coisa para serem gozados durante uma data de gerações. Beijoca!

Alfacinha de Portugal, por causa de ser tão melodioso é que depois ninguém os respeita. Fossem chamados de tubérculos e até a guerra da reconquista tinha durado menos tempo!

Rafeiro Perfumado disse...

Aespumadosdias, todas as cidades têm umas franjas populacionais menos favorecidas, Lisboa não podia ser diferente. ;)

Paulofski, esse deveria promover era o turismo das Lezírias, ia sentir-se mais à vontade. Abraço!

Elvira Carvalho, não ligues ao que eu digo, por favor, aquilo são momentos em que a oxigenação do meu cérebro ainda é mais deficiente que o normal. Beijoca!

Mimo Azul, nem a mim, acho que há uma qualquer história macabra por detrás disto. Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Táxi Pluvioso, antes as alfaces que as urtigas, aí as alcunhas teriam conotações mais saltitantes. Abraço!

Ellen, a entoação dessa palavra leva-me para caminhos que não me atrevo a representar aqui. Fiquemos pela cena dos actores... beijoca!

Helena Paixão, a próxima explicação que colocarei aqui é sobre outra alcunha dos lisboetas, quanto às alfacinhas deixa-as crescer. Beijoca!

Pax, ora aí está algo sobre a qual não tenho qualquer dúvida! Que tens falta de tempo, claro, não fiques convencida... ;)

Rafeiro Perfumado disse...

Violeta, não sei se volta, mas também não estou preocupado. Amigos com pouco poder de encaixe não fazem grande falta. Beijo!

Marco, a única coisa que me chateou este FDS foi o meu clube ir empatar a casa do 8º classificado, assim não vamos lá. Abraço!

Deusa Odoyá, uma grande beijoca para ti, e claro que retribuirei a visita.

Joaninha disse...

OLha sopa de urtigas é bom...

Beijos

Natália Augusto disse...

Ó Rafeiro Perfumado,
como é que hei-de dizer algo de original depois de 102 comentários? Hã? Tarefa árdua mas não hercúlea, claro. Estou pronta para tudo.

Li este teu post há alguns dias e como gosto de reflectir sobre o que leio (ainda por cima de um Rafeiro escritor!)decidi-me a cogitar sobre a temática abordada.

já li respostas correctas, entre os teus leitores, sobre o termo com que os Lisboetas ficaram conhecidos: "alfacinhas".

Deixo-te com mais uma definição do ciberdúvidas: «Alfacinhas – A origem da designação perde-se: há quem explique que nas colinas de Lisboa primitiva verdejavam já as "plantas hortenses utilizadas na culinária, na perfumaria e na medicina" que dão pelo nome de alfaces. ‘Alface’ vem do árabe, o que poderá indicar que o cultivo da planta começou aquando da ocupação da Península pelos fiéis de Alá. Há também quem sustente que, num dos cercos de que a cidade foi alvo, os habitantes da capital portuguesa tinham como alimento quase exclusivo as alfaces das suas hortas.
O certo é que a palavra ficou consagrada e, de Almeida Garrett a Aquilino Ribeiro, de Alberto Pimentel a Miguel Torga, os grandes da literatura portuguesa habituaram-se a tomar ‘alfacinha’ por lisboeta.»

Ainda que o tema seja este, creio que o mais importante neste post é a tua loquacidade, o teu bom português, o teu refinado sentido de humor e a tua crítica "cáustica".

Parabéns.

Beijo amigo

Gonçalo disse...

A considerar as inúmeras figuras de "sucesso" que passaram pelo Sporting nos últimos anos, podiamos começar a chamá-los de melancias. Verdes por fora, vermelhos por dentro!

Aquele abraço! (finalmente)

:)

Pisces Girl disse...

Não tenho nada contra os alfacinhas, mas prefiro ser coimbrinha... LOL

Um beijinho grande e bom feriado,

PiscesGirl.

Eduarda disse...

querem ver que é desta que temos de nos chatear????????????????????????

gosto de te comentar com o perfil da made in ♥ love mas agora estou com o perfil da Eduarda e como é tudo a mesma coisa fica a Eduarda made in ♥ love... alfacinha!!!!!!!!!!!

Um beijinho

Vani disse...

espera aí...não gostas de tomates?...

Sofá Amarelo disse...

SE as alfacinhas fossem todas giras como a miúda da foto mudava-me já para Lisboa... ai, ai, e eu que estive tão perto de lá viver... bem no centro...

Abraço!!!

Oliver Pickwick disse...

Fui olhar no dicionário e encontrei outros termos equivalentes para lisboeta, a saber: lisboano, lisboense, lisbonense, lisbonino, lisbonês, lisboês, olisiponense. E, convenhamos, entre "lisbonino" e "olisiponense", é melhor "alfacinha".
Por sinal, era uma das três pessoas que não conhecia esta anedota. Eterna, como você diz.
Um abraço!

Paula Raposo disse...

Lolololol

Imperator disse...

Olá Rafeiro, encontrei este cantinho que explica de onde é que a coisa nasceu

http://aresdaminhagraca.blogspot.com/2009/12/cronicas-de-graca-5.html


este outro explica onde outros também nasceram
http://cronicasdorochedo.blogspot.com/2009/12/cronicas-de-graca-5.html

curiosidades engraçadas :-)

Bom fim-de-semana

Rafeiro Perfumado disse...

Joaninha, vou acreditar no teu testemunho. Mas aquilo não é coisa para lixar o organismo todo? Beijos!

Natália Augusto, dá-me um gozo desgraçado ver que as pessoas reflectem sobre o que aqui coloco e acredita que à conta disso tenho aprendido bastante. Gosto essencialmente de provocar, mostrar como todos nós usamos expressões cuja origem se perdeu algures. Quanto a esta, cheira-me que lá no fundo foi mais uma alcunha metida ao povo de Lisboa do que outra coisa qualquer. Uma valente beijoca para ti!

Gonçalo, sobre isso não brinco, pois tem havido múltiplos casos de intercâmbio entre esses clubes, uns de sucesso outros autênticos barretes! Abraço!

Pisces Girl, não te preocupes que não me ofendes, eu até tenho as minha origens nessa zona e tudo! Beijo!

Eduarda, eras capaz de te chatear com o teu rafeiro preferido (partindo do pressuposto que não conheces outro, claro)? Beijocas!

Rafeiro Perfumado disse...

Vani, detesto!

Sofá Amarelo, já somos dois, eu adoraria morar ali na zona do Chiado, infelizmente não tenho direito a casa camarária e não tenho posses para comprar uma. Quanto às alfacinhas, são todas giras, nem que seja num ou outro pormenor. Abraço!

Oliver Pickwick, tenho de refazer as minhas contas, contigo já vão em seis as pessoas que desconheciam esta “pérola” do humor lusitano. Abraço!

Paula Raposo, e não serás tu também uma alfacinha? Hum? Hum? ;)

Imperator, fui ver atentamente os links que me facultaste. Acredita que no caso dos tripeiros a imaginação leva-me para outras explicações, mas isso ficará para mais tarde. Um abraço e obrigado!