Cuidado com o Rafeiro! Não é que morda, mas podes pisá-lo sem querer...

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Estás a armar-te em carapau de corrida?

Quem é que nunca ouviu esta frase? Eu confesso que de tempos em tempos estava a levar com ela, especialmente disparada pelos meus pais. Durante muito tempo aceitei essa “boca”, pois associava-a à indicação de que estava a começar a pisar o risco. No entanto, num belo dia em que a minha mente estava particularmente inquisitiva, tentei visualizar-me na pele de um carapau de corrida. E não gostei nada do que vi. Para já só o facto de imaginar um carapau erecto, vestido com uns calções de licra e com um dorsal ostentando o número de corredor é coisa para nos fazer ter pesadelos até nos reformarmos, ou seja, para sempre!

E depois as outras variações desta expressão: teso que nem um carapau ou mesmo ter cara de pau. Pegando na primeira, custa-me retirar a carga sexual que certamente tem escondida, mas olhando para um carapau no seu habitat natural, nem é muito teso. Aliás, se fosse só conseguiria nadar a direito, o que não auguraria grande futuro à sua espécie. Por outro lado, ligar a cara a um pau, ok, leva-me para imagens que prefiro não partilhar. E isso leva-nos à expressão cara de pau, supostamente alguém que tem uma lata de todo o tamanho (outra expressão gira, que não me apetece desenvolver), que consegue praticar um acto supostamente malicioso com o maior dos desplantes. Agora expliquem-me: no que é que dizer que a pessoa tem cara de peixe a pode ofender? Até temos chernes que chegam a presidentes da Comissão Europeia!

Até sempre,
Rafeiro Perfumado

41 comentários:

Teté disse...

Num dia em que a tua mente estava particularmente inquisitiva?! LOL! Não está sempre, quando toca a estas expressões que ninguém sabe bem de onde vêm?!? As imagens, claro, são de provocar calafrios na espinha dos mais sensíveis... :)))

Beijocas!

Textículos disse...

Diz um provérbio, não sei se turco se grego, que o peixe começa a apodrecer pela cabeça.

Maria Santos disse...

Olha... apetece-me dizer: Tas armado em ultima coca-cola do deserto????...
Passei só para te dizer "hello"... Bjocas

pássaro viajeiro disse...

Ora ora; são expressões sem grande sentido e o melhor mesmo é não nos fiarmos nelas. Ouve-se cada uma!
Todos sabemos que um homem feito de pau não é propriamente a mesma coisa de um homem de pau feito.
Não ligue, são parvoíces de quem não sabe o que diz.
Eheh...

Maria Pitufa disse...

Tens noção que a minha produtividade vai cair a pique depois deste post, uma vez que antevejo noites de pesadelos interminaveis!!!Só há aqui uma coisa que não percebo...o que é que a cara de pau, tem a haver com o peixe? A não ser que associes pela fonética!!

TERESA SANTOS disse...

Com licença!

"Tesos que nem um carapau" andamos todos nós, ou seja, a maioria! Pobrezinhos, sem cheta, etc., etc.

Depois, e perante esta penúria, ficamos com cara-de-pau, claro!
Ou seja, ficamos com uma cara tão bem disposta, tão risonha, tão feliz, que até o mais afoito foge.

Oh, valha-me santa...?
Olha, não sei, uma qualquer!!!!

Beijinho?
Claro, antes que também fiques com cara-de-pau!

Sexy Couple disse...

Até já se fizeram peças de teatro a tentar explicar estas expressões portuguesas, umas farão sentido outras nem tanto.
O que é importante é não «ficar a ver navios...!»
Mas, novamente, a tua mente inquisitiva fez-me gargalhar. Obrigada.
Beijo Sexy,
Ana

S* disse...

Tenho é pena do carapau!

Carolina Tavares disse...

Conheço duas mulheres que tem olhar de peixe morto, mãe e filha... quer saber horrível. Aqueles olhos caídos, por mais azuis que sejam os olhos, acho-os morto, óbvio.

Não consegui entender bem o seu texto, as expressões aqui são diferentes, então ¨fiquei a ver navios¨, mas umas palavras por ti empregadas eu entendi muito bem, como ¨pau ereto¨... ahaha... aliás perfeitamente bem, e não me assusta nem um pouco... ahahah, pelo contrário, acho uma visão deveras interessante.

Kok disse...

Carapau de corrida?
Cuidado! Muito cuidado!
Neste tempo de crise com o aumento dos impostos e com tanto desemprego que há por aí, tem cuidado!
Ao dizerem-te isso corres o rico de ser papado por um qualquer esfomeado...
Podes ser confundido com "carapau de comida"!!!!

1 abraço!

Mz disse...

A tua mente ainda é inquisitiva, senão não escreverias estes textos. E ainda tens o armar aos goivos,ao pingarelho, ao cagado... ui... mas o carapau serviu-te melhor. Os teus pais lá sabem porquê.

Mas acho que escrever é a terapia certa ;)

FATifer disse...

… tens toda a razão sempre a implicar com o carapau e a sardinha a rir-se ;)

Abraço,
FATifer

Patrícia disse...

Quando era mais nova estava sempre a levar com essa expressão. (Salve seja!) Acho que comparar uma pessoa a um carapau, é já de si uma coisa um tanto ou quanto estranha, quanto mais dizer que se está a armar em carapau de corrida! Eu pessoalmente prefiro sardinhas.

Beijinhos,
Patrícia

Eva Gonçalves disse...

Tanto que disseste neste texto tão pequeno e aparentemente inofensivo... :)

hesseherre disse...

Textículos disse...
Diz um provérbio, não sei se turco se grego, que o peixe começa a apodrecer pela cabeça.

Será que teu amigo está pensando que és descendente de turco ou grego?!

Teresa disse...

Ou, como diz um amigo meu que tem a mania de que falar em inglês lhe dá mais carisma, "running wood face fish"...
Bjs

tétisq disse...

"Cara de cu" é a expressão que me desperta mais curiosidade...*

AvoGI disse...

estou a modos que vazia da cabeça e nada me ocorre
kis :=)

aespumadosdias disse...

Gosto muito de carapaus pequenos fritos com arroz de pimentos.

Matilde disse...

Olá Rafeiro.
Eu também apanhei das boas até aos 18 anos, altura que entrei para a faculdade.
Era a coisa mais horrível que Deus pôs na terra. Muito alta e magricela com duas pernas compridas e finíssimas como um palito e chamavam-me o Pau de virar tripas.
Era tão horrível tão horrível que chegava a ter pesadelos comigo mesma. As raparigas fugiam de mim a sete pés e ia jogar futebol com os rapazes.
Sei o que é isso, oh se sei!
beijinho e fica bem

Canephora disse...

Cá está... são estas expressões que se agarram a nós e muitas vezes não pensamos nelas e depois passamos aqui e levamos para a cama um qualquer pesadelo de nos lembrarmos de um carapau em calções de licra, mas... convenhamos... corrida nõa é só o que se faz de forma erecta e com calções de lycra (os dois termos porque não sei o que se adoptou (adotou) com o acordo Horto gráfico. Pode ser de bicicleta, de moto, de carro, de barco... enfim...

Quanto a outras expressões identicas, como o "cara de cú", sempre me intrigou... é preciso usar risco ao meio?

Cadinho RoCo disse...

Mas em verdade o que serão as aparências?
Cadinho RoCo

AmSilva® disse...

Como também ouvi bastantes vezes essa expressão fiquei então agora com a imagem do carapau de corrida com número e tudo...
E eu que até nem ligo muito a peixe...
Só não percebi como é que se veste os calções de lycra a um carapau...
Abraço

carla disse...

Mas aonde vais tu buscar estas histórias lol? eu também ouvi muito dessas palavras lol

Uma boa semana ,beijo

Carla Granja


http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt/

Dadinha disse...

E o peixe que faz tão bem à saúde...
É mais conhecido por o Carapau mas tb podes chamar-lhe Trachurus Trachurus, rico em omega-3 e vitamina 12, parece-me bem!
:)

Anna^ disse...

E da faneca ninguém diz nada??? Só porque tem muita espinha??? Mal agradecido...

Eu sou do tempo em que quando passava uma "brasa" na rua, o piropo recorrente era: "Ahhh faneca!!!

kisses

Marta disse...

Eu cá nem sabia que os carapaus faziam corridas ;)

Felina disse...

Tem cuidado que o peixe morre pela boca...

Ti Coelha disse...

Lembro-me de uma anedota, em que Deus andava dar nomes aos peixes e fazia-o de acordo com as suas características, tal como o peixe-espada ou o tubarão-martelo. Ao carapau calhou-lhe esse nome por ter a cara em cima de um pau quando Deus ia a passar. "Caramba... olha se calho a ter a cara em cima de uma alho?..."

Festinhas nas orelhas!

Vítor Fernandes disse...

Eu já ouvi um emigrante a dar um ralhete ao filho e a dizer-lhe jacques-marie tu est armé em visage batôn de course oh cuá. Bem aquele cuá, teve cá uma pinta!

Táxi Pluvioso disse...

Sempre achei que deveria ser sardinha de corrida é mais popular, é mais nosso, os carapaus eram atirados ao gato, antigamente, agora, nem as espinhas levam.

Boboquinha disse...

Ahahahahaaahahahahahahahahahahahaaaahhaaa!

Rafeiro Perfumado disse...

Teté, acredita que consigo imaginar na perfeição o carapau, todo erecto, com as suas barbatanas e calções de licra. Sim, é arrepiante... Beijoca!

Textículos, tens de ser mais específico, pois isso de misturar turcos e gregos dá faísca!

Maria Santos, e logo eu que nem aprecio por aí além a Coca-cola! Beijocas!

Pássaro Viajeiro, só não percebi porque é que puxaste o pinóquio para a história...

Rafeiro Perfumado disse...

Maria Pitufa, “cara de pau” e “carapau” são nitidamente arraçados!

Teresa Santos, essa do “teso que nem um carapau” não me convence, a não ser que fosse “teso que nem um carapau ultracongelado”! Beijoca!

Sexy Couple, a sério? Muito gostava eu de ver essas peças, pois a nossa língua é abundante em expressões parvas. Beijocas!

S*, eu tenho tanta pena dele que evito tê-lo no meu prato!

Rafeiro Perfumado disse...

Carolina Tavares, ainda no domínio piscícola, costumo chamar algumas pessoas de “dead fish”, aquelas que ao estenderem a mão para dar um “passou bem” a dão completamente mole, como se fosse um peixe morto.

Kok, de corrida mas a pé (ou de barbatanas, no caso), uma vez que a vida não está para desperdícios de gasolina! Abraço!

Mz, as expressões que os meus pais me aplicavam (e aplicam) são uma ínfima parte das que trago aqui, pois efectivamente é um poço sem fundo. Beijoca!

FATifer, mas só até o carapau gozar com a sardinha, dizendo que é uma sarda pequenina numa cara de pau! Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Patrícia, eu pessoalmente prefiro bife com batatas fritas, mas os meus pais nunca me chamaram isso, os malandros. Beijocas!

Eva Gonçalves, aparentemente? No fim só faltou em vez de ponto final voarem pombas brancas!

Hesseherre, só se me achar um presente de grego.

Teresa, fossem os meus pais mais conhecedores de inglês e dir-me-iam “if you don’t doors well, you are here you are eating”. Beijocas!

Rafeiro Perfumado disse...

Tétisq, essa é muito simples, e tem a ver com relações laborais.

AvoGI, assim a modos que cabeça de alho chocho? ;) Beijoca!

Aespumadosdias, eu também não.

Matilde, mas pelo que dá a perceber, o patinho feio tornou-se um cisne, certo? Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Canephora, ou então quando perguntam:
- Porque é que te chama cara de cu?
- Pffff...

Cadinho RoCo, quase tudo, na sociedade em que vivemos. Abraço!

AmSilva, tem de ser com cuidado, uma barbatana de cada vez! Abraço!

Carla, não vou buscar a lado nenhum, elas vêm até mim! Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Dadinha, “trachurus” é um nome lindo, não admira que se deixe apanhar na rede...

Anna^, isso foi antes da subida do preço do peixe, agora é mais “Ahhhh cherne, que me fugiste!” Beijoca!

Marta, passam a vida a fazer corridas, os que perdem vão-te parar ao prato!

Felina, alguns são pescados pelo rabo.

Rafeiro Perfumado disse...

Ti Coelha, quer dizer que a avestruz era uma ave que estava em cima de um truz? Beijoca!

Vítor Fernandes, até dá para perceber a entoação ameaçadora. Eu conheci um tipo, que esteve emigrado em França, que costumava dizer que em certa casa ficava bem uma janela tipo fenêtre.

Táxi Pluvioso, pensava que o que se atirava ao gato era só o pau.

Boboquinha, pois, goza com o que os meus pais me diziam, vá!

Anónimo disse...

Origem e significado do termo «carapau de corrida»

O peixe é vendido nas lotas, normalmente, em leilões em que o melhor peixe é vendido primeiro, ficando para o fim o de menor qualidade. Em tempos anteriores ao transporte automóvel, as peixeiras menos escrupulosas compravam esse peixe no fim da lota, por um preço baixo, e corriam tentando chegar ao mesmo tempo, ou mesmo antes, que as que tinham comprado o peixe melhor e mais caro, tentando vendê-lo, evidentemente, ao mesmo preço que o de melhor qualidade.
Nem sempre os fregueses se deixavam enganar, porque percebiam que era «carapau de corrida», comprado no fim da lota e transportado a correr.
Por isso, ainda hoje se diz, aos que se julgam mais espertos do que os outros mas não os conseguem enganar, que se "armam em carapaus de corrida".