Cuidado com o Rafeiro! Não é que morda, mas podes pisá-lo sem querer...

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Eu dava-te o bom comportamento...


Dentro da aberração que é a nossa Justiça, há um aspecto que me faz particularmente cócegas. Mas cócegas daquelas incomodativas, não daquelas provocadas pelo roçar do buço da nossa amada pelo pescoço acima!

Este aspecto cocegueiro materializa-se na diminuição das penas por “bom comportamento”, diminuição essa que representa normalmente metade da pena total. Vamos lá a ver... se alguém é julgado e condenado por um crime, é suposto pagar pelo mesmo, certo? E quando se diz pagar entende-se que a sentença considera apropriado ao crime um determinado período de tempo longe da malta cumpridora da lei. Ora o dito “bom comportamento”, na prática, subverte tudo isto. Se quisesse ser bem comportado que o fosse enquanto cá estava fora, catano!

No que é que consiste o bom comportamento lá dentro? Dizer bom dia? Esfregar bem a retrete quando arreia o calhau? Não rosnar à passagem dos guardas? É que se são cenas destas, no máximo levava uma palmadinha nas costas e um chupa, se bem que nestes exemplos, e pelo que consta do nosso sistema prisional, até pode ver-se envolvido neles sem se portar bem. Não concebo a ideia de alguém matar um ser humano, apanhar com 20 anos de prisão (no caso improvável das coisas correrem normalmente) e após 10 anos, só porque fez a cama todos os dias, já poder sair cá para fora. É que, acreditem, metade do mal que ele fez não desapareceu entretanto, ou arriscávamo-nos a ver muitas metades de pessoas a andarem por aí.

Eu porto-me bem no emprego e não é por isso que a empresa me permite reformar em metade do tempo que é suposto! Eu porto-me bem com a minha jove e não é por isso que só tenho de aspirar metade da casa e lavar metade da loiça! Eu porto-me bem com o Estado e não é por isso que me perdoam metade dos impostos! Posto isto, e se querem continuar com esta aberração, ao menos actualizem as penas. Matou alguém? Apanha 358 anos, assim caso se porte bem, não me chocará muito que saia ao fim de 179 anos...

Até sempre,
Rafeiro Perfumado

46 comentários:

Vítor Fernandes disse...

Eu acho que a condenação a 358 anos podia muito bem ser reduzida para 298 devido às atenuantes que toda a gente tem, pois concerteza que até já deve ter ajudado uma velhinha a atravessar a rua ou deitado no ecoponto uma garrafa de água de plástico. E depois se viesse a ser metade já só tinha de cumprir 149 que é um tempozinho jeitoso, com muitas primaveras e verões.

Ti Coelha disse...

Completamente de acordo! Em muitas prisões, inclusivamente, têm melhores condições de vida do que têm cá fora. O nosso sistema judicial tem coisas muita engraçadas... não são daquelas que me fazem rir com gosto. :P

Textículos disse...

O tipo até podia sair a meio da pena, desde que fosse posto nas Berlengas a tomar conta das Herniarias berlengianas.

Cristina Torrão disse...

Ora, aqui está um post bem sério (eles são sempre sérios, mas este é mais ainda). E também estou de acordo. Se, em Portugal, as penas prisionais costumam ser baixas, não vejo razão para essa cláusula do bom comportamento. Pelo menos, não para determinados crimes...

Julie D´aiglemont disse...

Apesar de concordar inteiramente contigo, faço votos para que não tenhas sido tu a atear o fogo que poderia levar a que alguns presos saíssem da prisão de Paços de Ferreira com os pés para a frente
Notícia aqui: http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/pacos-de-ferreira-incendio-prisao-intoxicados-tvi24/1344659-4071.html
Há uma coincidência bastante perturbadora entre o momento do teu post e este fogo, eheheheh!

Barroca disse...

Ladraste mui bem, rafeiro!

Claro está que o nosso sistema judicial copia a teoria dos sistemas europeus, onde a prática e mentalidade são bem diferentes, per supuesto.

Assim, lixa-se o cidadão comum, leia-se o que não vê o sol aos quadradinhos, paga os seus (muitos) impostos e tenta fazer pela vida.

Rui Pascoal disse...

Se uns saem prematuramente da prisão, outros nem chegam a entrar.
"Reformar em metade do tempo", isso também eu queria...
:)

apenas umas letras disse...

Olá. Tens toda a razão. Em tantos anos, este foi o texto mais sério que li até hoje. Bem sei que nos textos falas do dia a dia, mas com muito humor, mas escreveste este tema, na perfeição. E o Pai da Juíza que matou o ex-genro, também não deveria de estar numa prisão ? E a Juíza, que não soube tratar da vidinha dela a bem, não devia ser penalizada ( afinal, meteu o pai ao barulho e o senhor é muito controlador, pelo que se ouviu dizer ). Isto a mim, também me causa alguma confusão. E eu creio que existem tantos crimes passionais e por pequenas birras que poderiam ser revolvidas a bem, por influência das novelas. Eu gosto de novelas, assim como o meu falecido avô gostava, mas não ando a matar ninguém. A criminalidade existe, porque as pessoas são MALUCAS. Sabes que mais? metade dos portugueses, deveriam de ir aos psicólogos em antes de fazerem asneiras. Um abraço

Magia da Inês disse...

º°❤
°º✿ Olá, amigo!

Concordo contigo em gênero, número, grau e raufs.
BOA SEMANA!

¸.•°`
°º✿ Beijinhos.
º° ✿ ✿ Brasil

Brown Eyes disse...

Como sempre tens umas dissertações interessantes, mesmo aquelas que são mais a sério.
Eu quando terminei o meu curso fiz o estágio num estabelecimento prisional e acompanhei algumas reuniões com o juiz de execução de penas, reuniões essas em que se abordavam não só o direito a saídas precárias, regime aberto e "liberdade condicional".
É tudo de facto muito subjectivo, as reuniões são pluridisciplinares, estando presentes desde o juíz até aos técnicos que trabalham directamente com os reclusos e o próprio chefe dos guardas prisionais.

A minha opinião pessoal, e não enquanto socióloga, é que deviam cumprir pena até ao fim, a pena máxima deveria ser superior aos 25 anos e o cúmulo jurídico é uma treta. O cúmulo jurídico ideal era não termos uma pena máxima de 25 anos e por cada crime que se comete cumprir a pena estipulada, nem que chegasse aos 500 anos.

Mas temos o problema espaço e número de estabelecimentos prisionais no país, que acaba por limitar um pouco todo o cenário. Mesmo que se ache injusto, a verdade é que mandá-los para fora uns anos antes por questões de hipotético "bom comportamente" é uma forma de arranjar espaço para os vindouros, e estamos perante uma pescadinha de rabo na boca e cedo estamos a gramar com ex-condenados a cometerem os mesmos crimes ou piores.

LOURO disse...

Oi Rafeiro!
Estou plenamente de acordo contigo,
isto é um pais maravilhoso á beira mar plantado,para criminosos e ladrões,não só para os que tão dentro como para muitos que andam cá fora!!!
Abraço,
Lourenço

Utena disse...

Concordo contigo mas apenas em alguns casos!
Mas a verdade é que hoje em dia paga mais quem rouba um pão que quem mata

Beijo

tétisq disse...

Tens toda a razão. Também não compreendo porque é que se as penas são aplicadas segundo o principio da razoabilidade, adequando a pena ao crime cometido e visando a possibilidade de reabilitação do condenado são depois reduzidas pelo menos num terço...é óbvio que um pedófilo na cadeia não vai cometer nenhum crime, uma vez que não há meninos...porque é que isso deve ser considerado bom comportamento? Enfim, são os legisladores que temos...*

Anna^ disse...

É costume dizer-se que cão que ladra não morde, mas tu hoje ladraste, mordeste e se não se puserem a pau ainda dás uma mijoca prós sapatos! :)

Vic disse...

Eu percebo bem o busílis da questão, Rafeiro. É que quem faz as leis, sabe que um dia mais tarde pode ser réu. Além disso, parece que as prisões estão sobreolhadas, é preciso libertar espaço.

(claro que tens razão, mas já alguém acredita no nosso sistema de justiça?)

Toni dos bifes disse...

Pois é rafeiro, percebo a tua indignação e compartilho dela. A questão é que se não houver meios de reduzir a sobrelotação das prisões, também não haverá mais como prender os bandidos.

Pitanga Doce disse...

Estou de acordo contigo em tudo, mas como hoje estou vendo o lado positivo das coisas (é que comprei uns óculos novos muito estilosos)penso que se eles vêm pra rua já não pagamos pela diária do hotel. Roupa de cama e 4 refeições saem caro ao fim do mes.

Quanto à tua jove não te deixar aspirar só metade da casa, vou lhe emprestar meus óculos novos para ela ver o lado positivo das coisas. Se tens mais tempo livre, podes roçar o teu fucinho pelo pescoço dela acima.

Boa semana e... choooove!

Pitanga Doce disse...

Ó carago, que já esquecia de te avisar que o Porto é Campeão. Vês? Só coisas positivas!

Tite disse...

Amigo,

Então como é que o Governo conseguia reduzir as tais "gorduras" sem mexer nos benefício deles?

Só mandando o pessoal s'imbora dos Hoteis dourados que são as Prisões.

Percebeste agora?

É verdade que eu expliquei como se fosses muito burro, né?

Abraços

Matilde disse...

Olá Rafeiro.
Venho aqui muito rapidamente e de fugidinha que o pai já está a olhar para mim com aqueles olhos que já conheço, para te dizer que gostei muito deste post que considero muito pertinente, e também para te dar os parabéns pelo teu livro porque não sabia que fosses escritor. Foi isso mesmo, dar-te os parabéns, que me fez desafiar a ira paterna. :)
Se não estivesse tão longe ia de certezinha ao lançamento dele, mas faço votos para que seja um sucesso e a precursão de muitos mais.
O maior sucesso para ti com um beijinho da
Matilde

Teté disse...

Mas o que é que esperavas de um sistema judicial, que manda para a cadeia "pilha-galinhas" e "sem abrigo" e deixa cá fora os gajos que roubaram milhões e continuam impunes? :P

Mas enfim, no geral concordo contigo!

Beijocas!

TERESA SANTOS disse...

Ah, tão lindo!
Tão lindo e utópico.
Ainda acreditas mesmo, mas MESMO, na justiça da nossa Justiça?

Tão...

Não, não digo o resto. É que podiam não me reduzir a pena!

Beijinho.

Graça Sampaio disse...

Concordo, Rafeirinho. Mas isso é em países a sério! O nosso é de brincar...

Assim como quando a ti te apetece andar acorrer atrás do teu rabo, sabes?

Bau! Bau!

Vera, a Loira disse...

Blogosfera a concelho, Rafeiro a presidente (gritos eufóricos de apoio)

Portuguesinha disse...

Se te portas bem com a Jove só ela poderá sentenciar LOOL :)


Mas a sério, não sei ainda o que pensar disto que trazes para a ribalta. Vejo programas sobre investigações criminais na TV e o que já vi não deixa muita margem para benevolência. Ainda assim...

De uma coisa tenho certeza: Há pessoas a quem a liberdade tem de ser um direito removido para o bem da sociedade, disso não tenho dúvidas. Nos EUA e noutros sítios do mundo existe a pena de morte e sentenças acumuladas (148 anos tudo impostos do Estado). Outro problema é que as prisões são escolas de crime onde alguns criminosos são ainda mais poderosos e continuam no ativo. Mas mesmo depois de tudo o que já vi ainda não tenho uma opinião formada sobre a punição. Basta um caso de condenação por erro para ser contra a pena de morte, ou um convertido para dar esperança. Só de uma coisa tenho a certeza: muitos não têm o DIREITO de serem livres. Porque a liberdade só lhes dá para hediondos crimes. Era bom que eles próprios o assumissem e aceitassem que têm de viver confinados e supervisionados.

Kruzes Kanhoto disse...

Subscrevo. Por inteiro.

conchita disse...

Concordo plenamente contigo, e digo mais, sou a favor da pena de morte nos casos mais chocantes e só se houver 100% de certeza que foi essa pessoa que cometeu o crime, assim pelo menos iamos varrendo o lixo deste planeta!
Beijos e bom feriado:)

Marta disse...

Tens razão, eu cá também não concordo com nada disso. Se há redução de penas por bom comportamento, então que haja para tudo o resto.

A começar pelos impostos, eu cá sou das mais bem comportadas...

Beijocas e até breve.

Alien David Sousa disse...

Concordo 100% contigo cão.

"Se quisesse ser bem comportado que o fosse enquanto cá estava fora, catano!"

Nem mais. Nos USA eles não brincam e perante a lei quem mata outro ser humano vai dentro para a vida...enfim...então cão?! Parece que nos vamos conhecer numa FEIRA num determinado sitio na cidade de Lisboa. Estás preparado para enfrentar uma Alienígena em pessoa? lol
kisses

Portuguesinha disse...

Existe o outro lado da moeda e se calhar, podes tentar pensar assim. Um criminoso que sabe que não fica dentro mais do que 25 anos tem esperança de ser solto e por bom comportamento, com pena reduzida. Isso motiva-os a trilhar o bom caminho. A liberdade condicional é isso mesmo: condicional. Ainda não estão livres. Continuam a precisar obedecer à autoridade e qualquer deslize, voltam para dentro. Isto também pode funcionar como um BOM DISSUASOR de recaídas.

Nos EUA eles perderam a esperança e dedicam-se 100% ao crime. Recrutam outros reclusos, usam quem aparecer, continuam fortes e poderosos mesmo detrás de grossos muros de betão e guardas armados. É um sistema com falhas e está a ganhar proporções melindrosas.

Acho que por linhas tortas a nossa justiça funciona melhor que aquela que é mais extremista.

Sei que há casos e casos, e isto dificilmente resulta com psicopatas pois precisam de acompanhamento constante e são um grande risco para a sociedade. Isso não desaparece. Lembro agora do que li na revista do CM sobre o assassino da praia do osso da baleia (1987) que está solto e aos cuidados de uma parente emigrada em França(?). Continua com os seus pensamentos perigosos o que exige de todos o que o rodeiam uma convivência em sobressalto constante. E tem de ser supervisionado e medicado. É uma responsabilidade enorme. O bom seria que este tipo de disturbio fosse reconhecido pelos próprios e que fossem estes a solicitar o confinamento supervisionado e a justiça tivesse esses meios. Porque alguns até "avisam" antes de se porem a cometer tais atos, mas quem é que os leva a sério sem que haja uma tragédia? A sociedade prefere pensar que estão a dizer uma graça...

Maria disse...

Concordo contigo. Mas se existisse justiça em Portugal a pena máxima não seria só de 25 anos, mas os 358que tão bem falas, e os meninos não seriam instalados em hoteis de luxo com mesa á descrição e cama lavada e sem nada para fazer, só lhes falta uma piscina uns "coratos" e uma "jolas" para tudo ser perfeito, na "cadeia".

AmSilva® disse...

Quando chegou ´parte das metades julguei que ias falar do pingo doce... só depois reparei na data!!
Abraço

AvoGI disse...

Diz-me quem matou quem queu vou lá e mato ele, hã?
kis .=) saudades de te ler!

AEnima disse...

A treta do bom comportamento e' uma desculpa para que o Estado nao tenha que andar a subsidiar malandros na prisao. Porque dar cama, comida, roupa lavada, televisoes e nintendos tambem custa, e produzir mais prisoes custa mais ainda. O que falta fazer e' uma avaliacao economica baseada num modelo em que se estime a proporcao de reincidencia e tipo de crime e o custo para a sociedade desse risco acrescido na metade de tempo que falta por cumprir... e ver se e' de facto custo-efectivo reduzir penas por "bom comportamento". Ja para nao falar no dilema etico e moral da coisa.

SE me derem uns 150 mil euros (o salario dos 3 anos de trabalho quee levaria) eu disponho-me a fazer o estudo!

Rafeiro Perfumado disse...

Vítor Fernandes, e da forma como a esperança de vida está a crescer, até era capaz de passar uma semana cá fora.

Ti Coelha, a mim fazem-me gargalhar. E não é com gosto.

Textículos, nem pensar, coitados dos bichos. Só se fosse a tomar conta de algum peixe!

Cristina Torrão, especialmente para crimes envolvendo sangue...

Rafeiro Perfumado disse...

Julie D’aiglemont, desta vez estou totalmente inocente. Não, o tempo de queimar pessoas já lá vai, mas se são condenados a ficarem 10 anos fora da nossa vista, que seja, 10 anos, mais ou menos fumados!

Barroca, numa população tão diminuta como a nossa, tenho a certeza que um sistema penal mais rigoroso daria bons resultados.

Rui Pascoal, caladinho, que tu já estás safo!

Apenas umas letras, a impunidade com que certas classes se passeiam na justiça é outra das aberrações. Lembro-me sempre daquele juiz que deu ordem de prisão a um homem que lhe chamou mal-educado. O que é que o juiz tinha feito? Tinha passado à frente numa fila. Eu dizia-lhe a ordem de prisão. Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Magia da Inês, e se eu disse que mereço ser promovido, falas com o meu chefe? Beijoca!

Brown Eyes, resumindo, por falta de condições perpetuam-se situações erradas. É como a descriminalização dos cheques sem provisão, porque os tribunais estavam a ficar entupidos com esses casos. Alguém compreende isto?

Louro, isto poderia ser um país maravilhoso, houvesse mais cuidado na forma como se gere o mesmo. Abraço!

Utena, não esquecendo as prescrições de crimes, que curiosamente têm sempre malta rica envolvida. Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Tétisq, acho que os legisladores têm como principal preocupação acautelar o dia em que caiam nas malhas da lei.

Anna^, e se não se puserem ainda mais a pau dou-lhes com o pau!

Vic, eu seguramente que não acredito, e sei que se um dia me vir obrigado a recorrer a ele, o mais certo é tomar medidas próprias.

Toni dos Bifes, reduzir a lotação das cadeias seria simples. Primeiro construia-se uma muuuuuito grande, onde quem entrasse não voltava a sair. Seguramente quando vissem o que os esperava, as cadeias mais pequenas começavam a ter menos fregueses.

Rafeiro Perfumado disse...

Pitanga Doce, mais caro do que essas refeições é virem cá para fora e roubarem, violarem ou matarem um ente querido, pois isso não tem preço. Beijoca!

Tite, tão burro que continuo sem perceber.

Matilde, muito obrigado, especialmente por desafiares a ira parental ao fazê-lo. Agora pira-te, ou ainda vais testar o sistema judicial! Beijoca e obrigado!

Teté, acho que nessa área só mesmo com revolução, pois não há quem tenha coragem de fazer tábua rasa e aplicar a justiça pela justiça. Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Teresa Santos, não, não acredito, mas acredito que um dia isto dá o estoiro. Beijoca!

Graça Sampaio, se ao menos fosse como isso, é que o meu rabo eu consigo agarrar. Beijoca!

Vera, a Loira, não me queiras para presidente, sou do género tirânico!

Portuguesinha, aí reside o verdadeiro problema. O homem vive em sociedade, quando alguém não sabe viver assim, tem de ser removido da mesma. Simples, não é? Eu acho que devia ser...

Rafeiro Perfumado disse...

Kruzes Kanhoto, ainda fundamos um movimento, pá...

Conchita, por muito chocante que pareça, eu também sou a favor da pena de morte. Naqueles casos extremos, em que a culpa é certa, e o crime hediondo, a morte é a única solução. Mas nada de gastar dinheiro, atirá-los de um penhasco e pronto. Beijocas!

Marta, uma simples aplicação do conceito. Se os criminosos são beneficiados pelo bom comportamento, porque não nós? Beijocas!

Alien David Sousa, pelos vistos vou ter de guardar o meu kit de dissecação, pois não é desta que nos encontramos. Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Portuguesinha, por outro lado é que quando alguém pensa em cometer um crime, sabe que as possibilidades de se safar ou de apanhar uma pena leve são grandes. Se cumprissem penas de acordo com as suas faltas, muitos não voltavam cá para fora, e garantidamente não prevaricavam mais. Por outro lado o modelo prisional teria de ser reformulado, pois aquilo é um antro, em que a droga circula livremente, os presos têm acesso a tudo, enfim, uma bandalheira.

Maria, e se há tanta coisa que a mão de obra podia fazer, nem que não fosse limpar as matas, fazer cobranças difíceis, etc.

AmSilva, sou um visionário! Abraço!

AvoGI, espero nunca ter de recorrer aos teus serviços! Beijocas!

AEnima, por metade desse valor e uma espingarda de sniper e eu próprio resolvia o assunto da sobrelotação das cadeias!

Kok disse...

Sobre este assunto, tudo o que eu pudesse aqui dizer não seria nem metade do que gostaria de dizer!

Akele abraço, pah!

Portuguesinha disse...

Rafeiro... uma sugestão:
O blogger tem uma nova forma de comentar que permite resposta a comentários (não só ao post). Com tanta afluência ao teu canil, não achas boa ideia tentar fazer-lhe um redecoração?
Hopping your book was a success bite-bite !!

Rafeiro Perfumado disse...

Kok, não te limites, ainda não descobri o limite de letras que a caixa de comentários tem! Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Portuguesinha, como vês aceitei a tua sugestão, quem é amiguinho, quem é é? Beijoca!