Cuidado com o Rafeiro! Não é que morda, mas podes pisá-lo sem querer...

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Mas está tudo sóbrio?!?

O Tribunal da Relação do Porto obrigou uma empresa a readmitir um funcionário que tinha sido despedido por trabalhar alcoolizado. No entender dos enólogos, perdão, juízes, o consumo do álcool durante o trabalho não pode ser motivo de despedimento, podendo até melhorar a produtividade.

Quando li isto pensei “acorda, rafeiro, estás outra vez a sonhar que estás em realidades alternativas, onde a Katy Perry se roça a ti vestida de cabedal lilás e o Vítor Gaspar confessa que não sabe usar o Excel”. Quatro beliscões e dezassete releituras do artigo depois, tive de me render à evidência que isto não era uma brincadeira de 1 de Abril fora de tempo, foram mesmo juízes que emitiram uma sentença com estes termos.

Não sou propriamente um perito em leis, mas julgo que é proibido ser juiz em causa própria. Neste caso, este grupo de juízes para dizer tal coisa estava seguramente com uma brutal bebedeira nos cornos, pois seguramente que alguém com os neurónios sóbrios não poderia proferir tais barbaridades.

Se isto fizer jurisprudência o que podemos esperar? A eliminação do limite de álcool nos condutores, pois até poderá melhorar os seus reflexos? A substituição, na Função Pública, da pausa para o café pela pausa para um bagaço, por forma a aumentar a produtividade? A substituição na pirâmide alimentar do leite pelo whisky, para aumentar a competitividade nacional? O encerramento da EPAL e sua conversão em destilaria? O recrutamento de trabalhadores ser efectuado nas madrugadas do Bairro Alto? Seguramente que lá para os lados do Tribunal da Relação do Porto haverá quem beba a isto…

Até sempre,
Rafeiro Perfumado

38 comentários:

Carlos Rocha disse...

Gosto mais quando falas de cocó.

Miúda disse...

Toca beber para a frente :p

apenas umas letras disse...

Olá. A meu ver, ele também não deveria de beber, sabendo que iria trabalhar. Ainda na semana passada, diz-me o dono do café, ao pé da minha rua " os melhores trolhas daqui da zona, bebem sempre uns copos em antes de trabalharem " e eu disse a seguir " mas também é mau beber, quanto aos trolhas, porque foi por isso que um trolha colocou alguns azulejos ao contrário, em minha casa, em vez de seguir o desenho ". Quanto a mim, deveria ser despedido ou levar um castigo, por beber.... mas os Juízes, por vezes fazem pior com as suas medidas.. abraço

Maria disse...

Bem, ao que parece esses Drs. Juizes devem emborcar todos os dias em jejum uma sopa de cavalo cansado e uma aguardante velha para dar ânimo e alegria no trabalho. ;)


bjs

Catarina disse...

Mais uma anedota.

Rui Pascoal disse...

Se a bebida ingerida for nacional... menos mal, menos mal.
:(

elvira carvalho disse...

Eu fiquei com uma dúvidas. O coletivo de Juízes foi afetado pelo buraco do ozono, ou estava com uns "copitos" a mais?
Um abraço e uma boa semana

Anónimo disse...

Onde está a duvida?
EStão todos com os copos.
Um abraço.

Teté disse...

Pois eu acho que a história não é bem assim como a contas. O homem estava a trabalhar embriagado? Estava. Mas a entidade patronal só soube disso porque um colega do fulano, igualmente bébado, teve um acidente ao conduzir o camião do lixo. Claro que este foi despedido. Mas não sendo ele que conduzia o camião e que não tinha a responsabilidade de o fazer, então como é que entidade patronal pode decidir despedir o homem, que tanto quanto se sabe cumpriu o seu serviço? Em não havendo uma norma legal (e ainda bem que não há, que daria azo a muita injustiça) ou da empresa que proíba o consumo de álcool na hora de expediente, o homem é acusado de quê?

Lembra-te ainda que a recolha do lixo é feita fora de horas, depois de jantar, portanto todos os funcionários não poderiam beber sequer uma imperial ao jantar. Só ao pequeno almoço, ou coisa... ;)

Dito isto, a justificação dada no acórdão está mal redigida, mas quanto à decisão os juízes estão certos. :)

Beijocas!

FATifer disse...

Nem a li a notícia pelo que vou opiniar baseado no que relatas. Se não tivesse acabado de beber dois Whiskeys até talvez concordasse contigo mas deves ser o único sóbrio neste país! :P
Quanto às tuas ideias gostei em particular da da EPAL para a qual proponho este novo significado para a sigla: Espumantes Ponchas Abafados e Licores.

À tua!
FATifer

PS – Parece que a Teté já explicou melhor… mas não percebi bem ainda …deve ser dos whiskeys!

Graça Sampaio disse...

«o fado é que induca e o vinho é que instrói!» - dizia-se no tempo do «faxismo»....

Beijinhos vaporizados...

Ministar disse...

Gostei do recrutamento no bairro alto... Tenho outra teoria, a juíza não será aquela que foi apanhada no dia dos anos com alcool?

Ministar disse...

Gostei do recrutamento no bairro alto... Tenho outra teoria, a juíza não será aquela que foi apanhada no dia dos anos com alcool?

Ricardo Santos disse...

Beber vinho é dar de comer a um milhão de portugueses. Frase célebre do Estado propalada por Oliveira Salazar. É para rir ou é para chorar ?

Ricardo Santos disse...

Onde se lê "Estado" deveria ler-se "Esatdo Novo", obviamente...

Carolina Tavares disse...

O ato de beber é social. Envolve quem bebe, quem vende, quem produz, quem bebe junto (amigo), a família, as festas sociais, o sistema enfim.

AEnima disse...

Tambem fiquei chocada a principio... mas depois pensei bem. O que conduzia embriagado devia era ter logo ficado sem carta - e sem carta nao pode trabalhar, logo o despedimento e' justo. Quanto ao outro, ja fico a pensar se o tribunal nao tera uma certa razao... afinal a empresa nao estipulou no contrato de trabalho limites de alcoolemia e se a pessoa esta com capacidade para desempenhar a funcao e a produtividade nao baixa com um copo... quem sou eu para julgar? Que comecem a estipular limites de consumo, se consideram que afecta. Tambem achei injusto as analises ao sangue terem sido feitas sem autorizacao dos empregados. Ate' a policia a administrar testes de alcoolemia na estrada tem que pedir autorizacao 'a pessoa. Se a pessoa nao der, as consequencias sao piores porque a policia tem direito a usar outros mecanismos, como apreender o suspeito, etc., mas nao obstante, e' um direito civil recusar o teste (ate ser obrigado por meios legais).

Nao digo que nao concordo com o despedimento. Concordo. Porque afinal causaram estragos financeiros e de imagem para a empresa - logo o argumento que os funcionarios estavam com capacidade e produtividade igual ao estado de sobriedade cai por terra. Mas se calhar ha um limite que se deveria impor (0.5g nao me parece mal...)

Comecei a pensar que, sendo assim, ate que ponto devem os empregadores comecar a estipular limites de consumo de drogas (legais ou nao) se afectarem o desempenho dos funcionarios. 'A quantidade de gente a desempenhar trabalho de muito maior responsabilidade entupidos de benzodiazepinas e outras substancias semelhantes, que explicitamente aconselham a nao conduzir nem desempenhar certas funcoes, despedia-se ja meio mundo e o outro meio andaria de autocarro - o que ate pode ser uma boa melhoria...

AEnima disse...

Posto isto, acho que os tribunais estao todos tolos... ja o outro cancelou a ordem de abate do cao que matou a crianca, so pode estar "sobrio". 'A quantidade de animais abandonados, doceis e inocentes que se abatem todos os dias nos canis, este merece obviamente ser salvo...

Mas o pior de tudo foi a Animal dizer que o acolhia e que lhe ia dar tratamento psicoterapeutico para curar o seu comportamento agressivo. Ou seja, admite que e' um cao agressivo e perigoso mas merecer de tratamento psicologico. Ja no SNS ha milhares de pessoas a precisar de tratamento psicologico e ninguem lhes oferece nada.

Da proxima vez que me vierem pedir uma contribuicao financeira para comprar comida e cobertores para animais em abrigos eu vou dizer-lhes que ide bater 'a porta da Animal. Porque se a Animal tem fundos para oferecer tratamento psicologico a um cao assassino (negligente ou nao), e' porque tem fundos excentes para esbanjar depois de tratar de todas as necessidades primarias e todos os outros animais ao seu cuidado.

Ando furibunda!

AEnima disse...

Desculpa la o desabafo...

mãe em fanicos disse...

Portugal meu Portugal!!!!!!

nêspera disse...

Querido Rafeiro, então tu ainda não reparaste que há muita gente neste país com uma grande nena?!?!? E ainda dizem que trabalham! Vê o canal parlamento e diz lá que não tenho razão…

Bjis :)

Pérola disse...

Vivemos em mundo cão...

Beijo

amigos das onze horas disse...

Tenho mix feelings sobre este assunto...se eu tivesse um emprego que envolvesse lixo alegria no trabalho só bebendo mesmo:)

Anónimo disse...

Caríssimo Rafeiro,

Em nome dos 12 que afinal eram 11 mandamentos em que não se encontra proibido o consumo de álcool enquanto anonimarás, eis-me de cálice magnífico e punjante de tinto.

Após a deliberação do Tribunal da Relação do Porto eu, entidade anónima, fiz uma profunda avaliação introspectiva e concluí que o meu modo de vida estava mais entediante que as linhas de código da Matrix (tal como Morpheus refere no dito, se alguma vez o Neo teria sentido que algo não estava certo no mundo que o rodeava). Correcto. Acertadíssimo.

O Mundo como o conheço é uma venda colocada nos meus olhos, mas na falta de Morpheus com comprimidos azuis e vermelhos, viva o tinto!

Era o vinho, meu deus, era o vinho...

(Para fins puramente medicinais)

Kok disse...

Num país que é uma opereta faltava mesmo um quadro de tribunal com juízes bêbados (os fazendo a apologia do vinho).
É o que temos!

1 abraço pah!

Portuguesinha disse...

Ahaha! PERFEITO!
Sabes, é o que dá ter cunhas em posições altas... o tal funcionário devia ser parente indirecto de algum juiz. Ou é como dizes: para aguentar os processos e as audiências os juízes lá do Porto abastecem-se é de pinga!

Portuguesinha disse...

Ok, contextualizada a notícia ganha outros contornos. Ainda assim debate-se: é para beber? Não é para beber?

São homens que trabalham com lixo e parece que, por essa razão, existe uma certa empatia. Porém há tanta gente que trabalha com pessoas que são um lixo...

Dadinha disse...

para quem está habituada a estas "lides" judicias já nada me espanta!

Táxi Pluvioso disse...

Não estou a perceber. Então eles nos Conselhos de Ministros não bebem? (ou então aquilo não é considerado trabalho).

Rafeiro Perfumado disse...

Carlos Rocha, lamento maçar-te com estes temas descocozados. ;)

Miúda, neste caso para os lados, estamparam-se!

Apenas umas letras, a única explicação é que os juízes equivocaram-se na profissão, deveriam ser trolhas. Abraço!

Maria, uma? Devem é ter um tubo ligado à veia que lhes debita continuamente álcool no pouco sangue que lhes resta! Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Catarina, infelizmente à conta da justiça.

Rui Pascoal, concordo, se a bebedeira tiver sido com licor Beirão, ok. Mas eu que saiba que foi com uma bebida estrangeira!

Elvira Carvalho, não me admirava que estes juízes tivessem causado o buraco no ozono, tal a sua competência. Beijoca!

Anónimo, aquilo não é estar com os copos, é estar com os barris! Abraço!

Rafeiro Perfumado disse...

Teté, não estamos de acordo. Claro que pode beber um copo, pode ele e pode qualquer pessoa. Mas a verdade é que ele estava com uma taxa de alcoolemia superior à legal. Se é proibido circular na via pública em estado de embriaguez, seguramente também o será para trabalhar. Beijoca!

FATifer, que raio é um abafado? Deixa, explicas-me quando te passar o efeito dos whiskeys! Abraço!

Graça Sampaio, pelos vistos temos no Tribunal da Relação do Porto alguns saudosistas desse tempo. Beijocas sóbrias!

Ministar, acho que essa era deputada. Mas o grau de competência é idêntico.

Rafeiro Perfumado disse...

Ricardo Santos, no meu caso foi para ficar de boca aberta.

Carolina Tavares, mas como em tudo, deve ser feito com moderação. Neste caso acho que o limite foi ultrapassado, tanto no caso do réu como no dos juízes. Beijoca!

AEnima, falemos no meu caso. Não existe no meu contrato nenhuma cláusula que diga que não devo trabalhar alcoolizado. No entanto, se no decurso do meu trabalho causar danos à empresa (fisicamente ou à imagem desta) por estar com uma bezana na tromba, acho bem que seja despedido, pois é suposto pagarem-me para estar na posse total das minhas faculdades (que já de si não são muitas).

AEnima, no caso do cão não vejo qualquer dúvida em que deveria ter sido abatido, tal como o dono responsabilizado criminalmente. Tanto cão e gato bom que anda abandonado e vai-se investir tempo e dinheiro em um que causou mal. Não, também não dou para esse peditório. Voltando a este caso, ajuda saberes que este colectivo de juízes foi o mesmo que absolveu um tipo da acusação de violação por “não ter sido muito violento”?

Rafeiro Perfumado disse...

AEnima, mas qual desculpa, pá, tas parva? Eu curto é isto, partilha de ideias, debate, discussão elevada! Dá cá uma beijoca!

Mãe em Fanicos, esse nome cada vez me soa menos a país…

Nêspera, só verei esse canal se eu próprio estiver bastante alcoolizado! Beijoca!

Pérola, qual mundo cão, alguma vez viste um cão a ter decisões destas? Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Amigos das onze horas, conheço outras profissões que, apesar do aparente glamour, me fariam beber com mais vontade do que a da recolha do lixo.

Anónimo, o consumo de álcool não está presente nos mandamentos pois eu próprio quando os redigi devia estar lindo, devia. Mas anónimos como tu são e serão bem vindos, Abraço e um brinde!

Kok, isto não é uma opereta, assemelha-se mais a tragédia grega. Abraço, pá!

Rafeiro Perfumado disse...

Portuguesinha, na volta é isso, são companheiros de copos ou o contentor do lixo dos juízes tem prioridade na ronda! A contextualização a mim não me convence, nesse caso quem dá apoio a políticos teria de andar sempre a chutar para a veia.

Dadinha, pois eu continuo a ficar de cara à banda, qualquer dia tenho o nariz virado para os calcanhares!

Táxi Pluvioso, o único trabalho que envolve beber é o dos escanções!

myrelate disse...

Pois é, e que que achava q esse tipo de coisa só acontecia em meu país hahah

Rafeiro Perfumado disse...

Myrelate, certas coisas seria melhor gozarem de exclusividade cultural.