Cuidado com o Rafeiro! Não é que morda, mas podes pisá-lo sem querer...

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

As sereias não existem

Quando estou entre amigos raramente falo de trabalho, pois acho que cada tema tem o seu lugar. Assuntos sérios, como a flutuação da taxa de juro, a evolução da dívida pública ou a carreira do SLB no campeonato ficam reservadas para o trabalho, enquanto assuntos mais ligeiros, como os buracos madeirenses, são para abordar nos tempos livres, com a malta amiga.

No entanto, de tempos a tempos, há um ou outro animal que se esquece disto, e lá se dá uma ou outra discussão mais acalorada. Como devem saber, pertenço à classe laboral que é vista como a besta negra da crise, a banca. Pouco importa se os verdadeiros centros de decisão estão longe, se o contributo da banca nacional para a crise mundial é diminuto, para algumas mentes menos iluminadas somos a personificação do mal, os corruptores de inocentes, aliciando-os com soluções fáceis que desgraçam a sua economia familiar tão habilmente planeada.

Recentemente um destes meus amigos resolveu confrontar-me com isso mesmo, de que o endividamento das famílias portuguesas se devia aos Bancos, que com as suas promoções de créditos levavam os incautos a cederem à tentação do consumo. De nada valeu dizer que o público-alvo dos créditos são adultos responsáveis, que deverão saber fazer contas entre o que recebem e o que têm de pagar, pois para ele era como se os bancos cantassem como sereias, enfeitiçando os clientes e os levassem a desejar ter aquele plasma ou fazer aquela viagem à República Dominicana, sem perceberem que depois teriam de pagar o crédito recebido. Foi então que a coisa azedou:
Rafeiro: Sendo assim, também acabaste de descobrir o culpado pela sinistralidade rodoviária.
Amigo parvo: Quem?!?
Rafeiro: Os stands de automóveis. Na prática estão a vender um produto a alguém que aparentemente pode e sabe utilizá-lo, mas que depois de o ter na mão só faz asneiras. Se os stands não vendessem carros, não haveria tantos acidentes, assim como se os bancos não concedessem tanto crédito, não haveria tantas dívidas.
Amigo parvo: Isso é um bocado estúpido.
Rafeiro: Só porque tentei dar um exemplo que conseguisses perceber.

Se Portugal está no estado em que está é porque o caminho mais fácil para a maioria das pessoas é culpar terceiros, em vez de assumirem as suas próprias responsabilidades. Já o faziam as donzelas de antigamente, quando a perda da sua pureza era justificada por um qualquer falo alado que lhes tinha entrado pela janela. Continuam a fazê-lo os governos, justificando a sua inabilidade para com os problemas com a herança deixada pelo governo anterior. E mais exemplos haveria, mas por causa da minha Internet ser tão lenta não consegui fazer toda a pesquisa que queria...

Se existem inocentes nesta história? Claro que não, mas tão pouco existem sereias, apenas irresponsáveis desejosos de as ouvir.

Até sempre,
Rafeiro Perfumado

64 comentários:

AmSilva® disse...

Olha que eu acredito na existência de sereias, assim como nas bruxas!!!
A culpa da bancarrota de Portugal não será nossa, pobres consumidores que gastamos tudo quanto temos, e quando não temos, vamos a esses diabos chamados de bancos e pedimos, pior ainda eles deram ( agora não têm pra dar)...
Como bem dizes... o real problema está em que se esquecem de pagar, nós, pobres contribuintes assim como o governo, os grandes gastadores...
Mea culpa!!
Mas espera, não.... eu não estou endividado !!! Quer dizer... enquanto esses diabos do banco receberem todos os meses...

Abraço

P.S. Primeiro coment... first time!!

Orquídea Selvagem disse...

Olha que novidade tu nos contas! É claro que culpar os outros sempre foi a saída mais fácil!

Por exemplo, se estiveres a estacionar e bateres com o carro no poste da luz, é claro que a culpa é de quem o colocou ali!
(hehehehe)


Beijinhos :)

(e nada de ires "mijar" atrás do poste, ok?)

Paula disse...

Pois. E se não se vendesse vinho, as pessoas não se embebedavam e se não se vendessem hambúrgueres as pessoas não engordavam...
Balelas!
Sabes que é sempre mais fácil, colocar a culpa nos outros...
"...somos a personificação do mal, os corruptores de inocentes, aliciando-os com soluções fáceis que desgraçam a sua economia familiar tão habilmente planeada."
Bem, pelo menos eu só te chamo Rafeiro pulguento...
:)

Ana disse...

Não podia estar mais de acordo. Aliás, quando vais ao banco pedir um crédito ninguém te aponta uma arma à cabeça para o contraires. É tão simples quanto isso!

Teté disse...

O quê?! Então não és tu o responsável pela banca nacional, pelo endividamento familiar e pela crise internacional?!? Já me enganaste, pá! Julgava estar tão próximo do centro do poder... :)))

Bom, mas mais a sério (como o teu texto): a malta faz gala em não gostar de matemática desde tenra idade, materiazinha chata que (quase) não serve para nada, e depois dá nisto - a culpa de não saber fazer contas à vida é dos outros... :P

Beijocas!

S* disse...

Claro que os bancos querem é que as pessoas utilizem mal os cartões de crédito pois só assim ganham dinheiro. mas se as pessoas forem RESPONSÁVEIS e souberem gerir o dinheiro, o cartão de crédito só tem vantagens. Mas eu nunca tive um...

Vício disse...

já ouviste aquela história em que um miúdo, depois de um adulto insistir com ele que deviam falar de algo para passar o tempo e sugerir falar de politica, lhe pergunta:
- Os cavalos, as vacas e os cabritos comem a mesma coisa, certo? Pasto, ervas, rações. Concorda? No entanto, os excrementos dos cabritos são umas bolinhas, as vacas largam placas de bosta e, os cavalos, umas bolas bem grandes... Qual é a razão para isto?

Depois do adulto dizer que não sabe, ele diz:

- Então como é que o senhor se sente qualificado para discutir politica se não entende de "merda" nenhuma?

esse teu amigo percebe de algum merda?

Utena disse...

É caso para se dizer:
"Se a minha mãe tivesse pilinha eu não tinha nascido"
Enfim continuamos na mesma

TM disse...

E que tal se o falo alado fosse também fazer uma visitinha a uma boa parte dos nossos políticos?

Felina disse...

Existe sereias sim... eu vi... na televisao com o Pai Natal na praia

tetisq disse...

Fiquei triste. Só faltava dizeres que o Pai Natal não existe...

Dá-lhes Rafeiro!*

Maria disse...

O meu problema não é pagar o que eu devo, porque fui eu quem fez a dívida, lógico que sou eu que a tem que pagar, mas o meu problema é ser eu a pagar a dívida do estado quando não fui eu quem a fez, e ainda me custa mais porque sei que foi dinheiro muito mal gasto, e que foi para o bolso de muitos, e enquanto esses muitos agora vivem à grande, eu estou cada vez mais pobre, porque tenho que pagar o que eles roubaram. Ms esta conversa dava pano para mangas, Rafeirinho.

bee disse...

concordo em absoluto! mas infelizmente a culpabilização do próximo é um desporto nacional. e somos muito bons a identificar possíveis culpados para tudo!

ADLuxor disse...

Estou de acordo. Quem pede empréstimos tem de ter em conta que têm de os pagar.
Gosto do exemplo! XD
Abraço!

Janita disse...

Olá Rafeirinho...
concordo contigo na questão da irresponsabilidade de quem assume dívidas parecendo esquecer que as tem que pagar...com juros!
Mas que o acesso ao crédito, por parte da banca e outras instituições, funcionou um pouco como o canto da sereia para muita malta...lá isso foi!

Não pra mim...por isso não faço viagens ao estrangeiro todos os anos nem mudo de móveis e electrodomésticos continuamente.

Muitas beijocas pra ti.

ESpeCiaLmente GaSPaS disse...

Eu tb acho mal que se destruam arribas nas praias porque a cada 10 anos morrem 3 pessoas e não se fechem stands de automóveis, que todos dias matam pessoas, por venderem carros...

Brown Eyes disse...

Concordo inteiramente com o que dizes; no fundo irrita-me imenso as pessoas que se queixam à conta das suas dívidas, quando são elas próprias que as contraem e que têm que as pagar.
Comprei a minha casa e estou a pagá-la ao banco; dei um passo que espero poder cumprir, mas se não o conseguir, quem se endividou fui eu. Não foi nenhum banco que veio atrás de mim de rolo da massa na mão a obrigar-me a comprar uma casota.

Bjs

60 Sinais disse...

Por muitas "sereias" que haja...bons vendedores de um determinado produto...são apenas isso, bons na arte de vender...pessoas inteligentes não dizem que sim só para os fazer felizes, parte tudo da vontade de ter algo e do esquecimento momentaneo do qual as pessoas sofrem quando se deixam levar pelo que querem e não pelo que podem ter. Então a culpa é tanto vossa...como dos stands...como da dona clotilde da mercearia por eu ter comido um gelado quando estava a fazer a digestão e esta me ter parado. Enfim...
Boa semana*

Kok disse...

1º- essa das donzelas perderem a pureza por coisas com asas entrarem pela janela, não me parece correcta. Só se te estás a referir àquela "janela" cuja fresta é uma tentação do... caraças!!!...
2º- Não deixa de ser verdade que se passou de uma grande dificuldade na obtenção do crédito para uma facilidade quase sem restrições.
3º Só quem se preocupa em pagar o que deve é quem tem problemas; os outros não estão "para aí virados"... Acredita; conheço alguns deste lote!

1 abraço pah!

ellen disse...

Eu sou uma sEREIA ;)
...porque continuo a dizer que não contraí divida nenhuma que não fosse capaz de a colmatar...
O problema Rafereinho, é que eles traíram-me porque 'o que era' deixou de ser pela vigariça que me(nos) fizeram e agora ninguém assume (a culpa foi do outro) e andam aí em plena liberdade como se continuassem a ser uns Senhores e se eu os paanhasse em alto mar afogava-os um por um Rsssssssssssss.... e o POVO que pague!!!!

Beijinhos

Ti Coelha disse...

Há sempre alguém com uma ideia brilhante sobre os causadores das crises, das dívidas, dos problemas. Foi um bom o exemplo, o que lhe deste.

Mz disse...

Estamos a ver que quando pisam a tua cauda tu rosnas a sério, rauf... rauf...grrrr

Tomem lá que é para aprenderem, seus parvos!

Tio do Algarve disse...

excelente comparação...Esperamos +e que não deixem de vender vinho por causa do alcoolismo.

Agora que não emprestam ninguém está o problema resolvido.

Inês disse...

Contra factos não há argumentos e de facto foi uma boa comparação e uma óptima argumentação.
Uma amiga minha dizia bastantes vezes "quem não tem cu não se mete a paneleiro". Basicamente a malta pode ou não pode, faz ou não faz. Quem faz o que não pode lixa-se.

Marta disse...

Ainda não consegui parar de me rir, a sério, essa desgraçado vestido de sereia ah ah ah...onde é que tu arranjas estas pérolas???

FATifer disse...

O quê, mas não são vocês (os bancos) os culpados disto tudo? O quê as pessoas que pediram créditos são adultos responsáveis e deviam saber fazer contas? O quê mas os governos não podem justificar o estado do país com a herança deixada pelo anterior? (como já percebeste podia continuar)…

Mas em que universo paralelo vives tu? E quem te manda ter amigos parvos? :P

:)

Abraço,
FATifer

Kruzes Kanhoto disse...

Ná...A mim ninguém me tira da cabeça que a culpa da crise é dos funcionários públicos.

carol disse...

Pois é! Isso é verdade em teoria. O certo é que os adultos são crianças grandes e a apresentação da compra de créditos é feita com grandes todos aqueles truques da publicidade e do marketing e depois, depois as pessoas caem que nem patos. Além de que a vaidade e a inveja também ajudam muito!

Bolas! Gosto mais dos textos mais rafeirentos... este era muito a sério...

Beijinhos

Hesíodo disse...

Não diria que a crise financeira mundial se deva exclusivamente à Banca. Diria sim que grande parte da falta de liquidez bancária que existe actualmente se deve, fundamentalmente, à avaliação ligeira da capacidade de endividamento dos solicitadores de créditos bancários por parte dos credores. Td corria bem, qd o Bem móvel/imóvel a que se destinava o crédito encaixava na perfeição como garantia e cobria o valor em dívida, até ao dia em que...

Mas isto é a opinião de quem não percebe um boi de economia, nem entende como os mercados financeiros funcionam como aldeias, baseados em "cochichos", cusquices e coisas que tais... quero eu dizer especulação de mercados (assim fica mais bonito)

Sem Crise disse...

Raquel Prates não paga
13.12.2011







Raquel Prates e João Murillo
Raquel Prates corre o risco de responder em tribunal por uma dívida de cerca de seis mil euros, respeitante ao condomínio do apartamento que habita, na Calçada da Estrela, em Lisboa.

A apresentadora e o marido, o pintor João Murillo, habitam há cerca de dois anos num rés-do-chão daquela zona nobre de Lisboa. São vistos frequentemente nas imediações a passear o seu pastor alemão, com toda a tranquilidade, mas as relações com a vizinhança não são as melhores.

Segundo uma vizinha citada pela “revista TV 7 Dias”, a apresentadora não tem efectuado o pagamento do condomínio do apartamento.

“Esta situação é muito constrangedora porque o dinheiro faz falta para arranjar o elevador, que precisa de reparação, e corremos o risco de ficar sem ele”- disse aquela fonte.

Para Raquel Prates este será um problema de somenos importância, pois, habitando o rés-do-chão, a apresentadora não faz qualquer uso do elevador.

A administração do condomínio já recorrer ao Julgado de Paz, numa tentativa de obter um plano de pagamentos por parte de Raquel Prates, mas garante que o assunto avançará para tribunal, caso a apresentadora não mostre disponibilidade para resolver a situação.

Raquel Prates, citada pela mesma revista, refuta as acusações: “Acho muita graça a estas coisas. Já me chamaram de tudo, desde ‘dealer’ de droga... Desconheço a situação.”

Também o pintor João Murillo diz já estar habituado a este tipo de acusações, relembrando que até já o acusaram de “não pagar o casamento”.

BlueShell disse...

Oh...não acreditas nas sereis? Então também não acreditas no Pai Natal...Buáa´´aáá´´aááá´´aáá´--Eu choro!

BShell (a concha que convive diariamente com sereias)

60 Sinais disse...

Opah não deves ter problemas a estacionar por teres daqueles horários xpto. Eu trabalho ao lado do coliseu e entro quando as pessoas estão a chegar para o circo. É um facto que sou meia ursa...mas a culpa juro juro que não é minha xD

60 Sinais disse...

Batoteiro --'! Assim já sei onde apanhar o teu carro se me chateares um dia...muahaha

Maria Pitufa disse...

Ainda que a discussão seja séria... As sereias existem!!!!!!! A primeira vez que fui a cinema (sim no interior do país quando íamos ao cinema tinha quer ser noutra cidade e era um acontecimento que marcava as nossas vidas) fui ver a pequena sereia!!! Portanto elas existem!!

Rafeiro Perfumado disse...

AmSilva, pelo que me consta, já há bastantes diabos com calotes. O que safa os caloteiros é as almas não poderem ser penhoradas. Ainda.

Orquídea Selvagem, qual mijar no poste, é logo no carro! Se não for meu, claro! Beijocas!

Paula, não sei quem te vendeu essa ideia de eu ser pulguento, deve ter sido alguma instituição financeira cheia de má fé!

Ana, já explicar isso às pessoas não é tão fácil.

Rafeiro Perfumado disse...

Teté, sou apenas responsável pelo meu endividamento, e nem imaginas a quantidade de cálculos no Excel que já fiz para ver o quanto posso gastar por mês. Mas na ausência de Excel um lápis e papel pardo servem perfeitamente, tem é de haver a vontade de fazer as contas. Beijoca!

S*, eu tenho um cartão de crédito, e com pagamento a 100%, pelo que juros nem vê-los. E é algo que deve ser usado com muita cautela, ou dás por ela e estás a pagar juros de juros de juros. Nunca tiveste um? Fosse eu comercial e mandava-te já uma proposta...

Vício, deve perceber, ou pelo menos tenta aparentar tal conhecimento. O que me preocupa é que esta conversa foi há mais de um ano, pelo que não me lembro com quem é que tive este belo diálogo ou se ele continua a vir cá.

Utena, se a tua mãe tivesse pilinha terias nascido na mesma, a mãe é que era outra e a mãe seria o pai. Acho. ;)

Rafeiro Perfumado disse...

TM, e dar-lhes mais esse prazer? Nem pensar!

Felina, e acreditas em tudo o que vês na televisão? Mesmo nos tempos de antena?

Tetisq, acabaste de quase adivinhar o título do meu texto de dia 19. ;)

Maria, tecnicamente a dívida do Estado é a nossa dívida. E digo tecnicamente porque aceitaria isso caso o Estado nos prestasse os serviços que era suposto prestar (saúde, educação, segurança, etc.). Na prática o que vemos é que os nossos impostos servem para sustentar a máquina que cobra os impostos. Quando assim é, algo está vergonhosamente errado.

Rafeiro Perfumado disse...

Bee, ainda hoje culpo os gregos por não termos ganho o Euro 2004!

ADLuxor, a não ser que se chamem José Sócrates, esse diz que tal pensamento é de criança. Abraço!

Janita, comparo o canto da sereia ao vudu, funciona em quem acredita que tal coisa existe. Se as pessoas quiserem cair no canto da sereia, até são capazes de acompanhar com palmas. Felizmente também há pessoas com neurónios, e a coisa fica equilibrada. Beijoca!

Especialmente Gaspas, nem mais. Ainda por cima são as pessoas que se vão meter por baixo das arribas, já no que toca aos carros costuma ser contra vontade!

Rafeiro Perfumado disse...

Brown Eyes, se considero o sistema actual perfeito? Longe disso, aliás são diversas as vezes que me questiono que raio ando eu a fazer neste mundo, pois não vejo nada de produtivo na minha área. Mas se são as regras que temos, há que saber jogá-las, sob pena de termos de abandonar o tabuleiro em busca de um que nos satisfaça. Beijos!

60 Sinais, se fosse a dizer sim a cada vendedor que me aparece à frente, tinha uns 358 cartões do Barclays e mais umas centenas do Citygroup! Beijoca!

Kok, longe de mim dissertar sobre as janelas das donzelas, mas lembrei-me das histórias contadas na Idade Média (já sou velhote) sobre o tema. Quanto ao crédito, está ligado às condições do mercado, mas existirem condições para que ele seja concedido não obriga a que as pessoas o peçam, certo? Caso contrário já teria o plasma há muito tempo! Abraço!

Ellen, espero que não estejas a falar do BPN ou do BPP! Beijocas!

Rafeiro Perfumado disse...

Ti Coelha, pena que não o tenha percebido.

Mz, sou um amor de criatura, e poucos assuntos me incomodam. Agora quando me tentam transformar em rafeiro expiatório, aí mostro os dentes.

Tio do Algarve, ou deixem de vender chocolates por causa da obesidade. Abraço!

Inês, é o chamado “dar um passo maior do que a perna” ou “pagar uma prestação maior do que o salário”, infelizmente mais comum do que se pode imaginar.

Rafeiro Perfumado disse...

Marta, este foi complicado, acho que foi através da pesquisa do Google!

Fatifer, meu caro amigo, não te ofendas com esta saudação pois sabes que te tenho em conta de amigo à séria. O universo em que vivo é muito alternativo, ainda por cá habitam duendes, dragões e cavaleiros, mas que conste nenhum tem dívidas! Abraço!

Kruzes Canhoto, têm a sua parte de responsabilidade, mas quem os contratou tem muito mais.

Carol, eu também gosto muito dos truques de magia, mas sei que as pessoas não são serradas ao meio. E é precisamente na distinção entre a ilusão e a realidade que nasce a responsabilidade. Beijoca!

Rafeiro Perfumado disse...

Hesíodo, para quem não percebe nada do assunto fizeste um comentário com uns termos que me obrigou a ir ao dicionário uma data de vezes, pá.

Sem Crise, o teu comentário faria muito mais sentido se eu soubesse quem raio é a Raquel Prates. Posso sugerir que os restantes moradores troquem a chave da porta da rua? Pode ser que isso a chamasse à razão...

BlueShell, infelizmente no Pai Natal acredito, mas num formato completamente distinto àquele que nos tentam vender. Beijoca!

60 Sinais, deve servir-te de muito saberes onde estaciono, quando vires o estado em que a viatura está até deixas uns euros no limpa pára-brisas para ajudar ao conserto. ;)

Maria Pitufa, a única sereia à qual prestei atenção vendia acessos à Internet, mas nem sei de que empresa, só consegui reparar na sua “largura de banda”!

Felina disse...

Rafeiro

Eu não acredito em tudo o que vejo na TV só acredito nas sereias porque eu própria sou uma eu explico:

Um senhor de um banco ligou para o meu felino várias vezes e dizer para me oferecer uma viagem, o meu felino veio falar comigo e disse o banco quer que eu te ofereça uma viagem, e eu perguntei é oferta do banco? Não, é um empréstimo, eu com o meu encantamento de sereia olhei para o meu felino olhos nos olhos e disse nunca mais atendes o telefone desse senhor e ele obedeceu ao meu canto

paulofski disse...

Então não sabes? A culpa é do Camões pá!

Sem crise disse...

Bem vindo à Caras, façalogin
registe-se


Hot topics

Reynaldo Gianecchini
Catherine
Mariza

Home

Famosos

Realeza

Moda

Decoração

LifeStyle

PortugalFashion

ModaLisboa

Globos Ouro

Home/PortugalFashion/ João Murillo orgulhoso de Raquel Prates

PortugalFashion


João Murillo orgulhoso de Raquel Prates


O pintor não poupou elogios à mulher que desfilou no Portugal Fashion para o estilista Luis Onofre


29 Outubro 2011 às 16:18

Foto: Campiso Rocha/Jorge Castro


Veja a galeria em página inteira

Não foi a estreia de Raquel Prates nas passerelles, mas foi apenas a segunda vez que o fez em toda a sua carreira, antes ligada à televisão e agora enquanto empresária. E foi pela mão de Luís Onofre que Raquel subiu ao palco do Portugal Fashion. “Foi uma grande responsabilidade, mas foi muito bom. É um privilégio representar, de alguma forma, o lado profissional de uma pessoa que é muito minha amiga. Na passerelle tentei, acima de tudo, divertir-me e as pessoas ajudaram”, comentou a empresária. Quem nunca fica indiferente ao trabalho de Raquel é o marido, João Murillo: “Estou orgulhoso, como é obvio. Porque a Raquel, mais uma vez, demonstrou os seus valores, que é estar junto das pessoas de quem gosta e por quem tem consideração. E depois – para mim não é uma surpresa – esteve fantástica na passerelle.”

Casados há cerca de sete anos, Raquel e João continuam a não es­conder a paixão e a cumplicidade, seja por atitudes ou por palavras. “As pessoas já se esqueceram, mas uma característica que eu e a Raquel temos é que andamos sempre abraçadinhos e adoramos”, sublinha o artista plástico.


Palavras-chave do artigo

Raquel Prates, portugal fashion, Luís Onofre, passerelles, João Murillo


Por: Redação CARAS

Relacionados



Raquel Prates maquilhada pelo famoso 'make up artist' Reza Zaimeche



Inspire-se no ‘look’ de… Raquel Prates


Deixe o seu comentário


Ler mais: http://aeiou.caras.pt/portugalfashion2011/2011/10/29/joao-murillo-orgulhoso-de-raquel-prates#ixzz1gQtFPaCa

Maria Pitufa disse...

Confesso que não percebi este ultimo comentário Sem crise, mas tudo bem!!

Rafeiro essa foi a única que viste, não quer dizer que elas não existam!!Mania de quererem tornar tudo muito realista e nos quebrarem os mitos!!
:-) Certo??

Anónimo disse...

Rafeirito,

Tu não me irrites...

Achas correcto massacrarem-nos, repito, MASSACRAREM-NOS, com ofertas de cartões de crédito?

Todos os bancos, todos, usaram e abusaram dessa "técnica".

Claro que ninguém obriga ninguém, claro que os adultos têm (ou deviam ter) cabecinha para decidirem o que fazer das suas vidas. Só que, quando tens uma sociedade de consumo que quase te "obriga" a consumir?...

Querem, agora, ensinar a poupar?

Pois!...

Concluindo: não há inocentes!!!

Beijinho.

TERESA SANTOS disse...

Ah! Porque é que entrei como Anónima?

Sabotagem?...

O comentário anterior é da minha inteira responsabilidade.

Beijinho, Rafeirito.

cuca disse...

Errar é humano, não assumir os erros é estúpido.

conchita disse...

Concordo plenamente contigo, os bancos não obrigam ninguém e só cai quem quer. Olha eu há já alguns anos que não tenho cartão de crédito, só de débito, mas eles bem que me tentaram impigir um mas eu disse que não, e eles admirados perguntaram,porque?!, e eu só lhes disse "quem não tem dinheiro, não tem vicios".
Eu pedir empréstimos a bancos NUNCA MAIS, já tive a minha dose de desgraça!
Beijos e continuação de uma boa semana:)

Gata2000 disse...

Já fui bancária e até já fui funcionária pública, logo devo ter uma grande quota parte na estupidez dos meus queridos conterrâneos.
Mas quando era bancária, nada me fazia mais confusão do que ver pais endividarem-se para pagarem os casamentos dos filhos, que provavelmente acaba mais rápidamente do que eles conseguem pagar todas as prestações, ou jovens a fazerem créditos para aquela viagem que nunca mais vão esquecer, mas que também nunca mais os deixará levantar cabeça porque os rendimentos precários não passam com o sol na moleirinha.
E quanto aos governos, temos o que merecemos, mesmo que não tenhamos votado neles.

George Sand disse...

Bom, isto é um assunto complicado...obviamente que as pessoas que se endividam são pessoas adultas e responsaveis. Mas a banca abriu demasiado o crédito, sabendo que a cultura financeira de muitas destas pessoas era baixa...
Também trabalhei num Banco, se bem que não como "bancária". Mas ligada à parte do Marketing, da publicidade etc...
A publicidade e o Marketing têm uma grande propensão para vender sonhos...e para o conseguirem fazer bem.

ψ Psimento ψ disse...

A banca existe também para ganhar algum dinheiro e cumpriu a sua parte, deu dinheiro às pessoas que depois não o souberam utilizar. O problema foi da massa de pessoas que recorreu a esse serviço. Lá está quando o problema é de todos é como se não fosse de ninguém...
Mas não vou discutir este assunto nas minhas horas de lazer ehehhe
aBRAÇOS

Tio do Algarve disse...

Ainda voltei, porque tocaram em duas questões a que sou, de alguma forma sensível: Os créditos para as férias, casamentos, luas de mel, e outros disparates que se foram fazendo... E o Marketing! Nós é que somos os maus da fita... Obrigado Gata2000!

Obrigado George Sand, somos bons, é verdade. Mas o povinho tem o que quis, aquilo com que sonhou. Quem tem que mostrar o reverso da medalha? O papá babado, a mamã orgulhosa, o banco mau que empresta que o cliente quer? O desmancha prazeres da troika? *E melhor o último.

E desculpa a invasão, mas não resisti...Abraço

LopesCa disse...

Não tarda lá vais tu destruir a ideia de pai natal ;)

Táxi Pluvioso disse...

Os terceiros são uma chatice.

Galeno, nos seu tempo, foi chamado por um príncipe que ia ter um filho preto. Queria ele saber a razão de tão inusitado fenómeno, pois nem ele, nem a esposa eram pretos (não sei se o jardineiro era). E o célebre médico encontrou a explicação, culpou umas pedras, a esposa durante a gravidez estivera em contacto com umas pedras pretas, e assim o filho nasceu preto.

Táxi Pluvioso disse...

... correção, não foi Galeno, foi Hipócrates, e ele explicou o filho preto pela existência perto da cama da grávida de um retrato de um preto. Não sei onde é que fui buscar a ideia das pedras (espero que não aos rins).

Rafeiro Perfumado disse...

Felina, isso não foi o teu encanto de sereia, foi a ameaça velada de quatro meses sem sexo. Eu próprio conheço esse género de olhar...

Paulofski, é bem sabido que não se deve confiar em malta só com um olho.

Sem Crise, agora já conheço a tipa, mas para além de a achar normal, não é algo que me tire o sono.

Maria Pitufa, já somos dois a não perceber o que o jove quer...

Rafeiro Perfumado disse...

Teresa Santos, existe uma resposta para a qual não há contra-argumentação. Basta dizeres “já tenho um”, e pronto, acabou-se o assédio. Beijoca!

Cuca, e persistir nos erros igualmente estúpido!

Conchita, eu tenho de manter os meus empréstimos, pois o sacana do construtor não me quis oferecer a casa. Beijocas!

Gata2000, é algo que me causa impressão, ver pessoas a pedirem um empréstimo para férias e a pagar em três anos. E no ano seguinte fazem o mesmo, e outra vez... Porra, eu endivido-me por coisas sérias, agora férias? Please...

Rafeiro Perfumado disse...

George Sand, eu olho para essa mesma publicidade e marketing, bem como os sonhos associados, e gosto de pensar que tenho discernimento para saber quais são os que estão ao meu alcance e não. E garanto que o facto do meu vizinho ter não entra na equação de decisão.

Psimento, quer se goste ou não, os bancos são empresas que têm de ter lucro. Podem desempenhar ou não um papel social para com os seus clientes, mas não convém esquecer a sua verdadeira missão, emprestar dinheiro e posteriormente recebê-lo, com juros. Abraço!

Tio do Algarve, a única invasão que não desculpo é a francesa, e já não existe ninguém vivo para eu protestar. Abraço!

LopesCa, ainda não consegui? Raios...

Táxi Pluvioso, mais recentemente uma americana culpou um filme pornográfico por ter ficado grávida, enquanto o marido estava no Iraque.

Felina disse...

Estás doido? 4 meses sem sexo? quem ficava a perder era eu, a haver castigo era lavar a loiça ou aspirar a casa e mais nada...

LopesCa disse...

NOP ;)

Rafeiro Perfumado disse...

Felina, dois meses, quatro dias e seis horas, é a minha última proposta.

LopesCa, vou continuar a tentar!

Anónimo disse...

[url=http://louboutinmart.co.uk]christian louboutin outlet[/url] In his Second Edition of Ornithology, Frank Gill concludes that monogamous relationships may simply be "a temporary truce between selfish, competitive individuals" rather than a "spirited, cooperative partnership.". [url=http://dkgoose.com]Canada Goose jakke[/url] Kspxzygmm [url=http://www.louboutinoutletuks.co.uk]louboutin outlet[/url]
ghsbgr 423542 [url=http://www.chilliwackbombersoutlet.com]geese identification[/url] 821601 [url=http://www.beatsbydreaonsales.com]beats by dre christmas[/url]